A Alemanha tem de voltar a assumir mais responsabilidades!

O que aconteceu ao „solo alemão já não deve ser a fonte da guerra“?

Um ponto de vista de Jochen Mitschka.

Tudo começou com o rearmamento da Bundeswehr. Meu pai, que tinha sido ferido sete vezes durante a guerra, tinha me avisado: „Este é um novo começo. Você vai se perguntar o que vai acontecer com ele. É sempre o mesmo“. O que aconteceu com ele?

Annegret Kramp-Karrenbauer, que foi escrito na mídia (1) quer implantar a Bundeswehr mais no exterior. A Alemanha também deve „tomar a iniciativa“. E, portanto, mais adiante, no artigo, temos, naturalmente, de defender os nossos interesses com militares em todo o mundo e manter abertas as rotas comerciais. Por outras palavras: se um Estado alguma vez fechar uma rota comercial que atravesse o seu território, a Alemanha terá, infelizmente, de travar outra guerra de agressão, como alguns fizeram desde a reunificação e o esmagamento da Jugoslávia (3). Ou será que um país como a Síria simplesmente não quer ver que um oleoduto também pode ser uma rota comercial, basta „convencer“ o país. E como é que praticamente ninguém se opõe seriamente a isso, o que aconteceu com o movimento pela paz?

O establishment político transatlântico reconheceu há décadas que a política de agressão expansiva em que a Alemanha também participa, por exemplo, apoiando as guerras de agressão dos EUA contra Ramstein, a maior base militar dos EUA no exterior, deve proceder sistematicamente para evitar a oposição na forma de um movimento de paz social. Pois, de acordo com os estrategistas, o problema não é o adversário geralmente militarmente muito mais fraco, mas a „quinta coluna“ do movimento pela paz em seu próprio interior.

E assim a sociedade foi sistematicamente preparada para assumir „mais responsabilidade“ no mundo novamente. Nos discursos coordenados do Secretário-Geral da NATO, do nosso então Presidente Federal, do Chanceler Federal e dos ministros, foi repetidamente dito às pessoas que a Alemanha tinha de aprender novamente a fazer sacrifícios. E se antes era o Afeganistão, o Hindu Kush, onde a Alemanha tinha de ser defendida, agora é a África, a zona do Sahel, ou mais precisamente o Mali, no tempo do AKK. Onde surgiu uma crise que nunca teria se tornado um „perigo para a Alemanha“ sem o bombardeio e a destruição da unidade de Estado da Líbia pela OTAN (2). Os antigos aplausos da aniquilação do país árabe mais rico tomam agora este acto como uma razão para bombardear ainda mais, para fazer avançar ainda mais intervenções militares.

Mas de volta ao início do fim do movimento pela paz. Decisivo para o início do assassinato do movimento pela paz foi o apoio dos antigos movimentos anti-guerra do partido Bündnis90/Die Grünen. A sua decisão tinha lançado milhões em dúvida e muitos ainda não descobriram por si mesmos o que tinha acontecido então (4). O partido tinha finalmente mudado de frente com os Verdes a exigir que participassem na guerra no Afeganistão. Esta participação não foi solicitada pelos EUA, mas expressamente solicitada pelos Verdes (5). E muitos ainda não compreenderam que o antigo partido dos ténis antiguerra há muito que se tinha transformado num partido de guerra transatlântico, o que continua a contribuir para uma paralisia do movimento pacifista.

Dividir e governar para dividir o movimento pela paz

Um instrumento importante para a destruição de um movimento de paz florescente, depois de o efeito dos Verdes como tranquilizantes contra as actividades de paz ter diminuído, foi a sua divisão. Lá estava o direito, então os esoteristas, os crackpots, os amigos ditadores, com quem os „verdadeiros esquerdistas“ não podiam organizar nada juntos. E, à direita, foi levantada uma aversão contra um movimento de paz que defendia „ditaduras comunistas“ como a Venezuela ou Cuba e contra as sanções e a guerra contra elas. E assim, esse movimento morreu quase mais rápido do que tinha se formado, afundando em insignificância no que diz respeito à percepção pública.

Um exemplo drástico é o tweet de um jornalista e cineasta alemão estabelecido que fornece os meios de comunicação do estabelecimento. Mario Sixtus escreve em 6 de novembro de 2019:

„Portanto: Block @_donalphonso! Bloqueiem toda a sua claquere e fanboys! Bloqueie quem tiver um tweet de im gostou e ainda mais por um retweet! Seguir os seus seguidores! Tudo isso o priva de alcance. Como o Twitter não está a fazer nada aqui, temos de nos proteger!“

É apenas uma coincidência que ele vai contra um chamado „direito“, que é realmente apenas um conservador e graças à herança de cidadãos ricos com opiniões correspondentes. É exactamente assim que atinge os esquerdistas que se opõem à criação de dinheiro pelos bancos, ou as pessoas que defendem os direitos humanos em Israel. Separação, bloqueio, impedir que outras pessoas espalhem seus pensamentos, são as ferramentas típicas de „dividir para reinar“ que são usadas voluntariamente pelos insuspeitos doutrinados em todos os níveis da sociedade.

O ponto alto desta política foi certamente alcançado em 17 de Maio de 2019, quando os eurodeputados difamaram o movimento dos direitos humanos BDS (Boicote, Desinvestimento, Sanções), que está empenhado nos direitos dos palestinianos em Israel e nos Territórios Ocupados, como anti-semita. Com o objectivo declarado de negar aos activistas palestinianos na Alemanha as aparições públicas em que são apresentados crimes cometidos por Israel (11).

O papel da revolução digital

Não se deve subestimar também o papel dos meios de comunicação digitais, que são habilmente utilizados pelo establishment para retirar o público de um movimento. Há, por exemplo, a infiltração da supostamente neutra base de dados de conhecimento „Wikipédia“. Até hoje, a maioria das pessoas não sabe que a Wikipédia tem servido como uma plataforma de difamação para questões políticas. Não tão pronunciadas como plataformas semelhantes, como a Wikimannia.org, mas suficientemente eficazes para retratar pessoas que estão envolvidas no movimento pela paz e que ganharam um certo alcance, como Daniele Ganser ou Willy Wimmer, de tal forma que as pessoas que não conhecem os dois se recusam a ouvi-los.

Outra forma de enfraquecer o movimento pela paz através dos meios digitais é „permitir a dissidência“ através de fóruns e redes sociais. Uma vez que estas dificilmente atingem um nível que mude a opinião pública, as actividades são aí restringidas. Quem se entusiasma e se expressa aqui, quem passa muito tempo aqui pesquisando e provando, não sai às ruas, e a sociedade nem sequer vê que há discórdia na sociedade. E o princípio da conformidade de Asch já está a funcionar. Ninguém na rua contradiz a pressão dos pares, razão pela qual ninguém se atreve a opor-se à pressão dos pares. E assim os dissidentes, mesmo que lentamente se tornem cada vez mais, permanecem na sua bolha, e o crescimento é demasiado lento para provocar mudanças.

Naturalmente, os algoritmos dos motores de busca dominantes, especialmente o Google, também desempenham um papel importante. Há muito que se sabe que eles são programados de acordo com critérios políticos. E, claro, o mesmo se aplica aos estranhos algoritmos do Twitter e do Facebook, que mostram que um trabalho intensivo está sendo feito na „inteligência artificial“, que supostamente influencia as sociedades (6). E, naturalmente, os „direitistas“ queixam-se da influência esquerdista (7), enquanto a corrente dominante fala repetidamente da alegada „influência eleitoral russa“ (8).

E, claro, há intervenções manuais que são muitas vezes chamadas de censura. Por exemplo, o bloqueio dos meios de comunicação social palestinianos nas redes sociais em Novembro. O que está obviamente em causa é o facto de demasiados relatos de violações dos direitos humanos por parte de Israel terem sido divulgados de forma demasiado alargada (9). Mas 59 sites de notícias e sites de mídia social, incluindo sites populares como Wattan TV, Shehab News Agency, Quds News Network, Arab48 (10), também foram bloqueados pela Autoridade Palestina, considerada pelos críticos como o braço estendido do poder ocupante Israel.

Enquanto isso, o Twitter tenta educar seus usuários emitindo advertências no primeiro passo (devido à rejeição da propaganda LGBTQ), no segundo passo emitindo o cartão amarelo (devido às indicações de passeios nazistas na Ucrânia), e com um terceiro e último passo, o bloqueio final da conta do Twitter. Neste caso, o de Ollie Richardson (12).

É mais que tempo

É mais que tempo de finalmente pôr em marcha um novo movimento pela paz. Enquanto o Ministro da Defesa apela a mais operações em África e o nunca eleito líder da UE, von der Leyen, demonstra alguma força militar, a Europa tem de aprender a linguagem do poder“ (13). E ela também tenta novamente apresentar a UE como Europa, embora esta seja a parte mais pequena do continente europeu. Quando o presidente da Conferência de Segurança de Munique declara que os 2% do PIB (equivalentes a cerca de 20-25% da despesa pública) são apenas o começo. E se já se fala de 4% do PIB (ou seja, até 50% da despesa pública), porque isso teria sido legítimo sob Willy Brand, então os sinais de alarme deveriam finalmente soar suficientemente alto para todos os alemães (14).

O movimento pela paz está empenhado em dividir-se e, assim, distinguir-se uns dos outros, e o protesto tem lugar predominantemente na Internet, onde actua numa bolha que praticamente não tem qualquer efeito externo através das políticas inteligentes do estabelecimento e do comportamento do próprio movimento pela paz. Enquanto isso, as decisões do governo federal, como o apoio à militarização do espaço, ignoram amplamente os cidadãos comuns.

Uma mudança poderia ser alcançada se o movimento pela paz se tornasse um só:

a) quebrar os grilhões ideológicos e comprometer-se com o objectivo fundamental de prevenir a guerra. Finalmente, há que compreender que as sanções também representam a guerra. As sanções matam mais silenciosamente, sem bombas, mas matam e preocupam sobretudo a população civil. E nesta luta contra a guerra, este ou aquele país não deve ser excluído selectivamente. Portanto, se a „direita“ pensa que a violência contra a Venezuela sob a forma de sanções mortais seria aceitável, mas contra Israel não deve haver sanções, porque o país só está em guerra por causa da autodefesa, isso deve ser rejeitado tal como o outro caso. Se os „esquerdistas“ afirmarem que a violência sob a forma de sanções ou mesmo a guerra contra Bolsonaro, que é chamado de fascista pelos meios de comunicação, estaria bem, mas não contra o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel. Só quando o movimento pela paz for capaz de renunciar às ideologias é que poderá exercer influência.

b) A contenção por parte dos pacifistas extremos é necessária para não irritar o „centro pragmático“ da população com exigências máximas como a abolição total da Bundeswehr, o desarmamento completo da Alemanha. Tais exigências máximas levam a um abanão da cabeça e seguem em frente. Mas se enumerarmos os crimes da OTAN e exigirmos uma demissão, a possibilidade de penetrar através da doutrinação é muito maior. Os pacifistas totais devem ter em mente que só podem avançar suas idéias se um primeiro passo tiver sido dado.

c) O mesmo se aplica aos movimentos pacifistas de motivação cristã. Infelizmente, nunca se rezou pela paz, mas sempre se lutou por ela com grandes sacrifícios. Por isso, devem também reduzir o seu perfil e rezar calmamente pela paz, sem pedir aos outros que rezem com eles. Não se trata apenas de não dissuadir os ateus. Mas, no final, há cada vez mais pessoas religiosas não-cristãs que querem se envolver em movimentos de paz, mas sem cair em um movimento dominado pelos cristãos.

d) Os meios de comunicação alternativos, independentemente da ideologia a que tendam, teriam de se coordenar para tematizar seriamente e de forma sincronizada certas coisas que mostram que estamos no caminho que não queremos, mas que brota da ideia imperialista de que se deve, se necessário, „conter“ militarmente um concorrente aspirante. Só quando os meios de comunicação alternativos começarem a agir de forma coordenada é que terão oportunidade de ser percebidos face ao ruído dos meios de comunicação social.

e) Quando os movimentos pacifistas rejeitam o serviço militar básico, isto é compreensível, mas não razoável, tendo em conta a actual situação mundial. Só uma sociedade capaz de criar um potencial dissuasor suficiente contra a chantagem militar está em condições de implementar uma política pacífica. Além disso é impedido que um estado é formado no estado e soldados profissionais, que ganham promoções, ordens e dinheiro pelas guerras, não recebem nenhuma influência determinante. Naturalmente, a formação no serviço militar básico deve ser fundamentalmente alterada. A luta com uma arma vai jogar em um conceito puramente orientado para a defesa apenas um papel subordinado.

f) Devemos opor-nos à „liberdade das rotas comerciais“ com um conceito que não se baseie na força militar e na guerra, mas na aceitação de interesses, ainda que possam ser mais dispendiosos, na tolerância de outros modelos sociais, na parceria e no equilíbrio de interesses.

Perspectivas

Quando o consenso dos partidos impediu que fosse cumprida a promessa da Lei Fundamental de que o povo alemão seria autorizado a ter a sua própria Constituição após a reunificação, isso deveu-se em grande parte ao facto de o cartel partidário ter investido muito tempo e esforço em minar a Lei Fundamental e subjugar o Estado. Livros e séries de artigos foram escritos sobre ele sem que isso mudasse nada. É de recear, portanto, que um movimento pacifista também seja difamado e destruído no espírito do McCartismo, se já não for possível ignorá-lo. Porque os meios de comunicação social, a política, a economia e a chamada sociedade civil estabelecida há muito que fazem parte de uma nova aristocracia.

O estabelecimento está agora a demonstrar uma velocidade de tirar o fôlego ao facilitar a guerra. Todos os dias uma pessoa fica novamente chocada. A 7 de Novembro, o novo ministro da guerra, AKK, falou novamente:

„No entanto, também vejo que a Comissão para a Revisão dos Direitos de Participação do Parlamento desenvolveu algumas ideias na legislatura anterior que ainda não tiveram efeito suficiente. Estou a pensar na simplificação e aceleração do processo de formação de opinião parlamentar. (15)

Vou traduzir isso: vamos assobiar sobre a Lei Básica, sobre o espírito de que a guerra não deve mais emanar da Alemanha. Vamos assobiar ao questionar as pessoas do país que pagam o preço com dinheiro e vida pelas nossas guerras. Vamos dar ao Parlamento um quarto de hora para ler centenas de páginas antes de concordarem com a guerra (16). Vamos tornar ainda mais rápido ir para a guerra. …

Rapazes, já não temos tempo para correcção política ou limites ideológicos. Enquanto continuamos a repreender e a gemer nas nossas bolhas de direita, o establishment prepara-se para „conter“ as potências emergentes como a China e a Rússia. E que meios de contenção podem ser vistos no Iraque, Líbia, Síria, Iémen, Afeganistão. Nós, o povo, somos novamente aqueles que têm que virar a cabeça para as fantasias de poder dos poderosos, para a sua ganância. Em vez de se ajustar a um mundo multipolar em que as grandes potências se respeitam mutuamente e observam regras acordadas, as potências que não querem se subordinar ao império devem ser „contidas“. Em vez de um mundo em que as relações econômicas são baseadas em uma situação de ganho mútuo, os interesses econômicos das corporações poderosas do Ocidente deveriam determinar a economia.

Se é isso que você quer, então continue votando nos partidos „de apoio estatal“, mas não se surpreenda se você pagar o preço, não aqueles que nos levaram até lá, e quando estaremos do lado perdedor pela terceira vez.

Fontes:
(1) https://www.sueddeutsche.de/politik/bundeswehr-kramp-karrenbauer-auslandseinsaetze-1.4670696 

(2) https://jomenschenfreund.blogspot.com/2015/11/bundeswehr-in-mali-resultat-des-nato.html 

(3) https://www.rubikon.news/artikel/die-kriegsmacht  

(4) Ausführlich beschrieben in https://www.kopp-verlag.de/a/deutschlands-angriffskriege-3 

(5) http://www.uweness.eu/oef-als-persilschein.html#_ftnref3 

(6) https://www.politik-kommunikation.de/ressorts/artikel/wie-algorithmen-die-politik-veraendern-1247577150 

(7) https://www.deutschland-kurier.org/linkslastige-suchmaschine-wie-google-die-waehler-beeinflusst/ 

(8) https://www.zeit.de/digital/2017-10/us-wahlkampf-russland-google-beeinflussung-fake-news 

(9) https://imemc.org/article/gaza-leadership-slams-twitter-and-facebook-for-yielding-to-israels-dictates/ 

(10) https://twitter.com/MinHijara/status/1190639704506601472 

(11) https://www.alitheia-verlag.de/Politik/Die-vergessenen-Lehren-von-Auschwitz-Jochen-Mitschka::18.html 

(12) https://twitter.com/O_Rich_/status/1192782688777842693 

(13) https://www.spiegel.de/politik/ausland/ursula-von-der-leyen-erste-grundsatzrede-als-kommissionspraesidentin-a-1295677.html 

(14) https://twitter.com/fritzfelgentreu/status/1192704802406436864 

(15) https://www.bmvg.de/de/aktuelles/rede-der-ministerin-an-der-universitaet-der-bundeswehr-muenchen-146670 

(16) https://youtu.be/T5jCOEJx1eU (Marco Bülow sobre a decisão relativa ao destacamento de combatentes em processos sumários)

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte da imagem: Sergiy Palamarchuk /shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort