A Psicologia das Massas

Na crise da Corona, a política e os media jogam no teclado do medo – os seus métodos fazem lembrar os da propaganda de guerra.

Um comentário de Hans Springstein.

Nota sobre o artigo Rubikon: O texto seguinte apareceu pela primeira vez em „Rubikon – Magazin für die kritische Masse“, em cujo conselho consultivo Daniele Ganser e Rainer Mausfeld estão activos, entre outros. Uma vez que a publicação foi feita sob uma licença gratuita (Creative Commons), a KenFM assume este texto para uso secundário e assinala explicitamente que o Rubicon também depende de doações e necessita de apoio. Precisamos de muitos meios de comunicação alternativos!

„Estamos a viver actualmente uma grande experiência social para ver como as pessoas ouvem as instruções vindas de cima“, perguntou-me recentemente um jornalista estrangeiro. Eu disse-lhe que não sabia disso, mas que já me tinha perguntado isso. Recordou-me as perguntas que escrevi recentemente. Em busca de respostas, folheei livros que existem sobre questões de psicologia de massas e comunicação de massas, e sobre propaganda e manipulação. Neles encontrei muitos modelos de descrição dos processos que estão actualmente em curso ou que foram iniciados na crise da Corona. Só a causa parece ser nova: o vírus Sars-Cov 2 e a doença Covid-19, que se pensa ter desencadeado, mas os mecanismos políticos e sociais da crise que se instalou não o são.

Muito não precisa de ser dito ou reformulado. Basta lembrar que já foi pensado, dito, escrito e demonstrado. Deve ser arrancada do esquecimento e da inundação de informação.

Algumas das conclusões referem-se em particular à propaganda de guerra, mas aplicam-se para além disso. Eles podem ajudar a compreender o que está a acontecer neste momento – e entretanto já foi declarada uma „guerra contra o vírus“.

Segue-se, portanto, uma série de citações. Estes não se destinam a „recitar“, mas sim a mostrar com que padrões estamos também a lidar na „crise da Corona“. Eles podem ajudar-nos a reconhecer melhor estes mesmos padrões e os mecanismos utilizados.

O poder do medo

O investigador de percepção e cognição Rainer Mausfeld descreveu a forma como o medo é gerado pela geração propagandística de uma alegada ameaça:

(„O objectivo de esconder os próprios objectivos e intenções é servido pela geração do medo através da declaração propagandística de um grande perigo X, que a população tem de combater resolutamente através de uma „luta contra X“. Esta advertência propagandística acompanha o aparelho de Estado pela „promessa, actualmente dominante, de protecção contra o terrorismo e o mal de todos os tipos“. X pode ser praticamente qualquer coisa que possa ser utilizada de alguma forma eficaz para gerar medo. Assim, X pode significar „comunismo“, para os migrantes, „parasitas sociais“, terrorismo, notícias falsas e desinformação, populismo de direita, islamismo ou qualquer outra coisa. Através da proclamação propagandística de uma „luta contra X“, vários objetivos desejados pelos centros de poder podem ser alcançados simultaneamente em „democracias capitalistas“: Por um lado, produz-se o „medo“ da matéria-prima utilizável para fins de poder e, por outro, a atenção pode ser muito eficazmente direccionada para objectivos de diversão e, finalmente, sob o pretexto de uma luta contra X, as estruturas democráticas podem ser desmanteladas e podem ser criadas estruturas autoritárias a todos os níveis dos poderes executivo e legislativo“ (1).

O governo na sombra

Edward Bernays, sobrinho de Sigmund Freud, é considerado o „pai das relações públicas“. No seu clássico „Propaganda“ de 1928, descreveu exactamente como isto – hoje sob o novo rótulo „Public Relations“ – funciona. Segundo Bernays, isto inclui também o seguinte:

„A manipulação deliberada e orientada dos comportamentos e atitudes das massas é uma parte essencial das sociedades democráticas. As organizações que trabalham em segredo controlam os processos sociais. Eles são os verdadeiros governos do nosso país.

Somos governados por pessoas cujos nomes nunca ouvimos. Elas influenciam as nossas opiniões, os nossos gostos, os nossos pensamentos. Mas isso não é surpreendente, este estado de coisas é apenas uma consequência lógica da estrutura da nossa democracia: se muitas pessoas quiserem viver juntas o mais harmoniosamente possível numa sociedade, os processos de orientação deste tipo são inevitáveis.

Os governantes invisíveis normalmente também não se conhecem pelo nome. Os membros do gabinete sombra governam-nos graças às suas qualidades de liderança inatas, à sua capacidade de dar o tão necessário impulso à sociedade e às posições-chave que ocupam na sociedade. Quer queiramos quer não, o facto é que em quase todos os aspectos da vida quotidiana, seja nos negócios ou na política, no nosso comportamento social ou nas nossas atitudes éticas, dependemos de um … grupo relativamente pequeno de pessoas que compreendem os processos mentais e as dinâmicas sociais das massas. Eles orientam a opinião pública, reforçam as velhas forças sociais e consideram novas formas de manter e liderar o mundo em conjunto“ (2).

Bernays aconselhou os governos dos EUA, bem como a indústria do tabaco, que em tempos foi tão poderosa como a indústria farmacêutica é hoje. No seu livro escreveu também

„A investigação sistemática sobre a psicologia das massas tem mostrado como a sociedade pode ser governada de forma eficaz quando os governantes ocultos conseguem chegar aos indivíduos na sua filiação grupal e manipular os seus motivos. Trotter e Le Bon lançaram as bases científicas para tal. Graham Wallas, Walter Lippmann e outros descobriram em pesquisas posteriores que a consciência de grupo difere substancialmente nas suas características psicológicas das características do indivíduo. As acções do indivíduo no grupo são determinadas por sentimentos e motivos que não podem ser explicados pelas abordagens da psicologia individual. Mas se sabemos o quê e como a psicologia de massas é movida – não deveria ser possível dirigi-la e controlá-la despercebida de acordo com a nossa vontade?

Como o uso da propaganda nos últimos tempos provou, isto é realmente possível, em certa medida e dentro de certos limites. No entanto, a psicologia das massas está longe de ser uma ciência exacta e o segredo do que impulsiona o comportamento humano está longe de ser decifrado em pormenor. Mas a teoria e a prática podem agora ser conciliadas, pelo menos na medida em que podemos, em determinadas situações, provocar mudanças bastante previsíveis na opinião pública através da aplicação de determinadas técnicas; de forma semelhante à forma como um condutor de automóvel utiliza o pedal do acelerador para controlar a velocidade de um automóvel“ (3).

O controlo dos pareceres

Um dos clássicos sobre questões de opinião pública e manipulação é Walter Lippmann, mencionado por Bernays. Em 1922 publicou o livro „Die öffentliche Meinung“. Como é criado e manipulado“. O cientista dos meios de comunicação social Michael Meyen afirmou:

„Lippmann diz como somos controlados. É mais relevante do que nunca“.

O jornalista americano desenhou especialmente sobre as experiências da Primeira Guerra Mundial e enfatizou sobretudo o efeito das imagens. Do livro de Lippmann, recentemente publicado em alemão em 2018, também algumas citações sumárias:

„Aprendemos a chamar a isto propaganda. Um grupo de pessoas que pode negar ao público o acesso sem entraves aos eventos organiza as notícias para servir os seus propósitos. (…)

Sem uma certa forma de censura, a propaganda em sentido estrito não é possível. A fim de fazer propaganda, deve ser erguida uma certa barreira entre o público e o evento. O acesso ao ambiente real deve ser limitado antes de alguém poder criar um pseudo-ambiente que considere sensato ou desejável. Pois embora as pessoas que têm acesso imediato possam entender mal o que estão a ver, ninguém mais pode determinar como devem entender mal, a menos que alguém possa determinar onde devem olhar e o que devem ver. A censura militar é a forma mais simples desta barreira, mas de forma alguma a mais importante, porque se sabe que ela existe e, portanto, pode-se concordar ou discordar dela de alguma forma. (…)

Embora a censura e o segredo interceptem muita informação na sua fonte, um número muito maior de factos não chega ao público, ou chega muito lentamente. (…)

Antes de mais, a notícia … não é o espelho das condições sociais, mas sim o relato de aspectos que se impuseram a si próprios. (…)

Decidir quais os factos e impressões a relatar requer uma capacidade distintiva de distinção. Todos os grupos organizados estão, portanto, constantemente convencidos de que não se pode deixar a triagem dos factos para o repórter, quer se pretenda alcançar ou impedir a publicidade. Por conseguinte, é mais seguro contratar um agente de imprensa que se encontre entre o grupo em questão e os jornais. (…)

No entanto, uma vez que os factos da maioria das grandes notícias não são fáceis de apresentar e, sobretudo, não são de modo algum óbvios, mas estão sujeitos a selecção e opinião subjectiva, é natural que se queira fazer a própria selecção de factos para publicação. É exactamente isso que o Homem Publicidade faz. E assim ele certamente poupa muito trabalho ao repórter, dando-lhe uma imagem clara da situação que de outra forma o homem do jornal poderia não ser capaz de descobrir. No entanto, daí decorre que o Publicity Man prepara a imagem pública para o repórter. Ele é ao mesmo tempo censor e propagandista e só é responsável perante os seus provedores. Ele é responsável por toda a verdade, porém, apenas na medida em que esta coincide com os interesses dos seus empregadores“ (4).

Os métodos de manipulação

O cientista cultural Douglas Rushkoff é um dos mais recentes especialistas no assunto e descreveu „Como somos constantemente manipulados“ no livro „The Attack on the Psyche“ (O ataque à psique). Acima de tudo, ele mostra como funciona a publicidade e que métodos são utilizados para o fazer.

No entanto, isto também pode ser aplicado à esfera política, como mostrou décadas antes o antigo director de publicidade Bernays. Rushkoff, nas suas próprias palavras, „examinou atentamente como os especialistas em marketing, os políticos, os líderes religiosos e as forças manipuladoras de todo o tipo influenciam as nossas decisões na vida quotidiana“:

„As mudanças relâmpago que temos sofrido ao longo das últimas décadas – do milagre económico do pós-guerra à era espacial à era informática – deram aos nossos manipuladores amplas oportunidades de actualizar e actualizar os seus arsenais. Mesmo que uma nova tecnologia como a Internet nos ofereça a oportunidade de utilizar o novo panorama mediático em nome da comunidade ou da nossa responsabilidade enquanto cidadãos, está rapidamente a tornar-se um recurso bem-vindo para especialistas em marketing directo, investigadores de mercado e anunciantes tradicionais.

O pior é que a aceleração da corrida aos armamentos entre nós e os nossos manipuladores está a minar os alicerces da sociedade democrática. (…)

Isto não é uma conspiração contra nós, mas simplesmente uma ciência que se descontrolou. (…)

As decisões que tomamos enquanto indivíduos ou enquanto sociedade são demasiadas vezes dirigidas por pessoas que não têm necessariamente em conta o nosso bem-estar. A fim de nos influenciarem, limitam a nossa capacidade de fazer juízos racionais, apelando a camadas de problemas mais profundas, não resolvidas e não relacionadas.

As pessoas inteligentes ao influenciarem-nos podem pôr de lado o nosso julgamento crítico e forçar-nos a agir como entenderem os processos inconscientes através dos quais decidimos o que compramos, onde vamos comer, quem respeitamos e como nos sentimos. Tiram-nos a nossa própria capacidade de decisão racional, moral ou emocional. Reagimos de forma automática, inconsciente e muitas vezes como se quiséssemos despojar-nos do nosso poder. Quanto menos satisfeitos estivermos com as nossas decisões, mais fácil será a nossa manipulação. (…)

Quase todas as técnicas de coacção suave que estudei recorrem a um ou outro comportamento psicológico ou social saudável. (…)

Vivemos no fim dos tempos da propaganda e, portanto, numa cultura onde tanta autoridade é exercida – programamos tanto! – que já está a começar a apresentar sintomas patológicos.

Aqueles de nós que foram levados à submissão por uma suave coacção consideram-nos todos impotentes, passivos e depressivos; muitas vezes entregam-se à meditação. Aqueles que se têm dedicado à resistência às autoridades estão a tornar-se cada vez mais desconfiados e críticos. Acreditamos que „eles“ existem realmente e se aliaram contra nós. Eles“ tornaram-se nossos inimigos.

Mas não são. Como uma das pessoas que foram pagas para conceber novas estratégias de manipulação, posso assegurar-vos: eles são simplesmente nós“ (5).

Albrecht Müller, publicista e editor do NachDenkSeiten, falou várias vezes sobre os mecanismos de formação e manipulação de opinião, descobrindo-os e alertando para as suas consequências. O antigo político influente do SPD sabe do que está a falar, como ele próprio já utilizou estes métodos várias vezes, como admite. E este é o título do seu último livro:

„Acredite Pouco – Questione Tudo – Pense por Si“. Como ver através de manipulações“. No seu livro, Müller enumera os métodos de manipulação e dá exemplos.

Entre estas contam-se as seguintes:

– regras linguísticas;

– utilização de termos avaliativos;

– contando histórias abreviadas;

– dissimulação;

– repetindo;

– exagero;

– enviar uma mensagem através de diferentes canais;

– uma opinião num fórum público é partilhada por vários;

– „efeito de baloiço“: fazer o outro lado parecer mal, fazer-se parecer melhor;

– fazer opiniões com sondagens;

– dizer B e quer dizer A;

– numerosas insinuações transformam meias verdades em verdades; pareceres de peritos;

– ligar nomes com termos de julgamento;

– utilização orientada da emoção;

– utilização e encenação de conflitos.

No início, ele observa o que também se aplica na crise da Corona:

„Se uma grande maioria já não pensa por si própria, então a opinião pública é controlável e com ela as decisões políticas que dela derivam“. Os vencedores são aqueles que têm nas mãos o volante para fazer opinião. (…) Nenhuma das principais decisões dos últimos anos e décadas foi tomada sem a influência de uma propaganda maciça. … A propaganda sempre foi decisiva e também determinou o que e como algo acontece. É por isso que não se pode realmente falar de uma democracia viva. Está no seu fim quando não são os chamados soberanos, mas os líderes de opinião que determinam a linha de acção“ (6).

O Arsenal de Propaganda

A historiadora belga Anne Morelli descreveu em 2004 num livro „The Principles of War Propaganda“ (Os Princípios da Propaganda da Guerra). Um olhar sobre ela mostra também paralelos aos acontecimentos e processos da „crise da Corona“.

Morelli resumiu o que o político e activista britânico pela paz Lord Arthur Ponsonby descreveu no seu livro „Falsehood in Wartime“, publicado em 1928. Nele mostrou, também com base na experiência da Primeira Guerra Mundial, os elementos estruturais das mentiras e das falsificações com que as guerras se justificam.

O historiador resumiu estes princípios descritos por Ponsonby em dez pontos:

1. Primeiro: não queremos guerra.

2. Dois: O campo inimigo é o único responsável pela guerra.

3. o inimigo tem características demoníacas.

4. Quatro: lutamos por uma boa causa, não por fins egoístas.

5. Cinco: O inimigo está deliberadamente a cometer atrocidades. Quando cometemos erros, eles são acidentais.

6. O inimigo utiliza armas ilegais.

7. As nossas perdas são pequenas, mas as do inimigo são enormes.

8. a nossa causa é apoiada por artistas e intelectuais

9. a nossa missão é sagrada.

10. quem duvida da nossa denúncia é um traidor

Os paralelos com a proclamada „Guerra ao Vírus da Corona“ são fáceis de ver. A diferença mais importante é que aqui o inimigo não é um sujeito humano. Mas os métodos de propaganda e manipulação utilizados na luta contra ele não diferem grandemente. Considero particularmente digno de nota o que Morelli escreveu sobre o décimo ponto:

„Quem duvida do nosso relatório é um traidor.“

Afirma, nomeadamente, que

„Em qualquer guerra, as pessoas que só formam uma opinião depois de ouvir os argumentos de ambos os campos ou que questionam a apresentação oficial dos factos são imediatamente consideradas cúmplices do inimigo“.

Segundo o historiador, os meios de comunicação social estão muito activamente envolvidos neste processo porque estão „tão dependentes dos líderes políticos“ que „num momento tão delicado, é impossível para eles permanecerem pluralistas“. Ela acrescentou:

„É claro que nem uma única Constituição europeia contém uma passagem que suprima o direito à liberdade de expressão em tempos de guerra, mas, na realidade, é esse o caso. De acordo com uma opinião generalizada, em tempos de guerra, dever-se-ia abster de qualquer oposição ao próprio governo. O apoio à santa união é um dever. Em tempo de guerra, porém, onde os erros cometidos pelo governo podem ter consequências particularmente fatais, deve ser garantido o direito à liberdade de expressão, a fim de evitar que o governo cometa erros. Para não sermos considerados traidores, devemos abster-nos de qualquer tipo de oposição?“. (7).

Os benefícios do medo

Mas a contradição, pela qual Morelli, entre outros defendeu, exige coragem, pois acarreta o perigo de disciplinar e excluir os adversários.

Isto há muito que deixou de ser feito pela força bruta, embora ainda existam alguns exemplos disso a nível mundial. Em sociedades como a República Federal da Alemanha, a punição e a exclusão há muito que funcionam da mesma forma através de meios sociais, como a comunicação pública determinada pelos meios de comunicação de massas, ou seja, a opinião pública. O que é revelador aqui é o que a investigadora de opinião Elisabeth Noelle-Neumann compilou na „Theory of the Spiral of Silence (http://noelle-neumann.de/wissenschaftliches-werk/schweigespirale/)“.

Omitindo as suas impressões do tempo do fascismo, as suas conclusões relacionadas com a actual „crise da Corona“ também são dignas de nota:

„O poder da opinião pública sobre cada membro da comunidade consiste no medo do isolamento que é inato em cada ser humano e que o leva a esforçar-se constantemente para ser bem tratado numa comunidade e para evitar o perigo de ser empurrado para trás, de ser expulso. Deste modo, o processo de opinião pública assegura um esforço constante de acordo tanto do lado dos governantes como do lado dos membros individuais da sociedade. (…)

Em público, os indivíduos devem falar e comportar-se de forma a não violar os valores da comunidade. Caso contrário, é ameaçado pelo isolamento, por se afastar dos outros e por ser evitado. (…)

Em questões racionais, há pouco perigo de isolamento. … A política é moralizada para conquistar a opinião pública, para impor o perigo do isolamento às opiniões dissidentes.

Noelle-Neumann chamou a atenção para a importância fundamental do discurso e do silêncio no processo de opinião pública, que é particularmente evidente na actualidade. Em situações de tensão, as pessoas observariam de perto quais as opiniões e comportamentos que estão a aumentar e quais os que estão a diminuir:

„Aqueles que notam que as suas opiniões estão a espalhar-se sentem-se reforçados por isso e expressam as suas opiniões despreocupadamente, falam sem medo do isolamento. Aqueles que notam que a sua opinião está a perder terreno sentem-se inseguros e caem no silêncio. Em resultado destas reacções, as opiniões dos primeiros, por serem expressas alto e confiantes em público, parecem mais fortes do que realmente são e atraem mais apoiantes; as opiniões do outro campo parecem ainda mais fracas do que realmente são, devido ao silêncio dos seus seguidores. Isto, por sua vez, faz com que outros fiquem calados ou mudem de ideias até que, num processo de „espiral de silêncio“, uma opinião domine todo o público e o contra-opinião tenha praticamente desaparecido.

A sondagem salientou que os vários meios de comunicação social desempenham „um papel importante no processo de opinião pública“. Moldá-lo-iam com as suas posições sobre a moralidade política, bem como o „acompanhamento ambiental constante do indivíduo, como pensa a maioria das pessoas“ (8).

Outros cientistas da comunicação argumentam há muito tempo que a opinião pública reflecte a „opinião publicada“. Estes mecanismos são conhecidos há muito tempo e são utilizados activamente sempre que possível.

Isto é igualmente assegurado pela relação comprovadamente estreita entre o poder político e os meios de comunicação social, que não exige censura. Para isso, basta o sentimento dos principais representantes dos meios de comunicação social de fazerem parte da elite.

Também neste caso, o medo do isolamento está em acção – este medo, em grande e pequena escala, conduz novamente ao medo profundo em cada pessoa, que Rainer Mausfeld descreve. Com isto, quero terminar por agora a viagem através da literatura especializada.

Fontes e observações:

(1) Rainer Mausfeld „Fear and power – techniques of domination of fear generation in capitalist democracies“ Westend Verlag 2019, p. 39

(2 ) „Propaganda – A Arte das Relações Públicas“ de Edward Bernay, Orange Press 2009 (original 1928), p. 19.

(3 ) „Propaganda – A Arte das Relações Públicas“ de Edward Bernay, Orange Press 2009 (original 1928), p. 49.

(4) Walter Lippmann „Public Opinion – How it arises and is manipulated“ Westend Verlag 2018 (original 1922), Ebook

(5) Douglas Rushkoff „The Attack on the Psyche – How we are constantly manipulated“ Deutsche Verlags-Anstalt 2000, p. 20ff.

(6) Albrecht Müller „Faith little – questione tudo – pense por si mesmo. How to see through manipulations“ Westend Verlag 2019,

p. 7f.

(7) Anne Morelli „Die Prinzipien der Kriegspropaganda“ zu Klampen Verlag 2004, p. 121ff. (8) Elisabeth Noelle-Neumann „The theory of the silence spiral as an instrument of media effects research“ in: „Mass communication – theories, methods, findings“ Westdeutscher Verlag 1989, p. 419 f.

+++

Este artigo foi publicado em 30.03.2020 por Rubikon – Magazin für die kritische Masse.

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte da imagem: solarseven / Shutterstock

+++

A KenFM esforça-se por obter um amplo espectro de opiniões. Os artigos de opinião e as contribuições dos convidados não têm de reflectir os pontos de vista dos redactores.

+++

Gosta do nosso programa? Informações sobre outras possibilidades de apoio aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora também nos pode apoiar com as Bitcoins.

BitCoin endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort