Contra a obediência!

„Tornou-se uma questão de sobrevivência que nos emancipamos e nos libertamos da prisão de propaganda dos poderosos.“

Um ponto de vista de Jens Wernicke.

Há mais de 100 anos, Karl Marx já capturou as condições sociais precisamente quando escreveu: „Os pensamentos da classe dominante são os pensamentos dominantes em cada época, ou seja, a classe que é o poder material dominante da sociedade é, ao mesmo tempo, o seu poder espiritual dominante“. Devido à situação social e ecológica agravante, é agora mais necessário do que nunca sair desta prisão adquirida da síndrome de Estocolmo colectiva (1) e libertar-se dos constrangimentos intelectuais da ideologia dominante. Só assim será dominada a libertação social da opressão, da exploração, da pobreza e do medo e será possível a reviravolta ecológica necessária para a sobrevivência da humanidade.

Caros leitores e ouvintes,
cada vez mais tenho a sensação de viver não só em tempos loucos, mas também entre pessoas loucas. Em tempos em que a coragem, a razão e a clareza de pensamento estão ameaçadas de extinção.

Neste momento, está em curso no país uma poderosa guerra de propaganda sobre um tema que é imensamente importante para todos nós – mas não há um verdadeiro debate sobre ele, as suas consequências e intenções.
A maioria deles tem se jogado no tumulto, especialmente seus sentimentos e juízos de valor, e não percebem de todo como eles são mal utilizados em ambos os lados da frente artificial apenas como forragem para canhão.

As necessárias discussões sobre o facto de o nosso sistema económico estar em vias de destruir o nosso ecossistema foram canalizadas para um debate sobre se devemos ser „a favor“ ou „contra“ Greta Thunberg – e se as medidas de protecção ambiental são „certas“ ou „erradas“, necessárias ou supérfluas.

Qualquer pessoa que se tenha deixado levar por estas linhas laterais já se tornou vítima. Vítimas de propaganda, distracção, ideologia. Porque as perguntas reais, importantes e também convincentes a serem respondidas são completamente diferentes. Eles são:

O que deve cada indivíduo, aqui e agora, fazer em conjunto, como pessoas e sociedades, para evitar a catástrofe que se aproxima? O que temos agora de fazer em vez de política, que apenas serve os interesses dos poderosos, para enfraquecer esta mesma política e para nos libertarmos da nossa própria imaturidade? E: O que é proteção ambiental real – além dos ursos propagandísticos como o „imposto sobre dióxido de carbono salutar“, „energia nuclear livre de dióxido de carbono“, „fracking inofensivo“, „carros elétricos ecologicamente corretos“ e „mudança climática parando a geoengenharia“, que queremos desfazer todos os dias?

Uma vez que estas e outras questões são distraídas com toda a sua força, dois pólos de opostos aparentemente irreconciliáveis estão agora a enfrentar-se um ao outro no debate. Incompatível, porque nunca há respostas certas para perguntas erradas. Porque o objetivo da propaganda é esconder a verdade para cortar na raiz qualquer rebelião dos 99%. O único Fronstellung nesta guerra de propaganda está a bater palmas aos políticos e a aplaudir os principais meios de comunicação social. Pessoas e instituições que não podem nem querem compreender o que Greta Thunberg, entre outros, proclama com toda a clareza e pertinência.

Em vez disso, pervertem suas preocupações, querem até abusar delas para modernizar o capitalismo. Anseiam por e para todas as possibilidades de gerar novos e diferentes tipos de lucros com um „novo, mas diferente tipo de loucura“.

O objetivo prometido de fazer algo real para o planeta, para a natureza e para o ecossistema provará ser um número zero, pois nada de substancial pode mudar. Haveria apenas um golpe dentro das elites, substituindo os gigantes do carvão, petróleo e nuclear por outros destruidores e falsificando o problema não resolvido como „Agora está tudo bem“ verde.

Beate Wiemers resumiu isso maravilhosamente em seu artigo no Rubicon (2):

„A boa notícia é que já existem soluções para muitos problemas ambientais graves. A má notícia é que não existe vontade política para as implementar. E a população – hipnotizada por um debate unilateral sobre o clima – não está lutando por essas soluções. A proteção ambiental precisa de pessoas comprometidas que trabalhem em rede regionalmente e atuem de forma concreta. Um debate sobre o clima que exclui temas como barragens, solos arruinados ou o desgaste planeado dos bens de consumo só se segue a um alarmismo cego. Na pior das hipóteses, isto serve para servir ainda mais o capitalista através de investimentos pseudo-ecológicos, taxas excessivas para empresas de consultoria e produtos financeiros supostamente „verdes“. Ele se torna o agente vicariante de uma autoridade estatal centralista que usa a questão da proteção climática como álibi para saquear ainda mais os contribuintes“.

Barbara Unmüßig, uma das últimas verdes críticas, documentou brilhantemente estes desenvolvimentos no seu livro „Kritik der Grünen Ökonomie“ (3): O que queremos vender aqui como „eco“ ou „verde“ é exactamente o oposto da protecção ambiental!

Em suas palavras é assim (4):

„Um motivo muito concreto para o conceito da atual Economia Verde foi e é: a política ambiental global deve a partir de agora ser conduzida prioritária e exclusivamente com racionalidade econômica. Menos regulamentação e menos modelação política estão para vir. Além disso – assim a argumentação – os cofres públicos estão vazios para o financiamento da proteção dos bens públicos. Por isso, mais do que nunca, o mercado deve orientá-lo com novos instrumentos baseados no mercado. A partir de agora, serão elas a determinar a política de protecção do clima e da biodiversidade. A ONU há muito tempo adotou a visão econômica da mudança climática como sua própria nas negociações sobre o clima. E está a transferi-la cada vez mais para outros domínios de acção e políticas, como a protecção da biodiversidade“.

Este pólo de debate reflecte de forma simples e pungente os interesses das elites que lutam pela modernização do sistema sob o rótulo de „protecção ambiental“. Aqueles que, por exemplo, elogiam o crime ambiental dos carros elétricos como uma „melhoria“ para nós, mas de fato só disputam os lucros de outras elites com insanidade igualmente destrutiva.

Gritam „Pelo ambiente!“, mas significam „Depois de mim, o dilúvio – o que conta é o lucro“. O que eles estão planejando é chamado de Greenwashing: Nada muda, mas você ainda ganha dinheiro com a aproximação da morte em massa para a qual você está bem preparado. E até mesmo a multidão se sente segura novamente e permanece calma – até que finalmente chegue o momento.

A posição frons, que se opõe a essa insanidade, reflete os interesses das elites que retiraram seus lucros e privilégios da forma anterior de destruição ambiental. Eles são flanqueados e protegidos pelo AfD, o Instituto Europeu para o Clima e Energia e outros poderosos grupos de reflexão.

Para impedir que os seus concorrentes, os „modernizadores“, triunfem, contam com um giro poderoso e pérfido que atrai cada vez mais círculos: „O aquecimento global não existe – todas as mentiras e enganos das elites contra as pessoas pequenas! Contra ti, sim, contra ti!

E uma vez que uma parte do argumento – que é sobre mentiras e enganos „de cima“ – é verdade, o seu esquema captura, captura mais e mais. Apanhado, porque o „homenzinho“ sente com muita precisão que o que lhe é vendido como „Nós amamos Greta Thunberg e faremos o que ela quiser“ tem pouco a ver com a proteção ambiental no final, mas só vai continuar a alimentar a luta entre ricos e pobres e piorar ainda mais sua situação social. Seja através de um imposto sobre o dióxido de carbono, proibições de circulação para os carros dos pobres, aumento do custo de vida „para o ambiente“ ou qualquer outra coisa.

O velho esquerdista Rainer Rupp, por exemplo, resume o teor desta posição de frente ideológica quando esboça Greta Thunberg, a proteção ambiental e o „golpe de Estado dentro da elite“ como um e o mesmo problema contra o qual se pode oferecer resistência incondicional. Segundo o lema: „A protecção ambiental é um projecto de elite, odiemos, desprezemos, caluniemos e lutemos contra aqueles que não são a favor do carvão, do petróleo e da destruição do planeta“.

Ele próprio o lê desta forma (5):

„Como na Idade Média mais profunda, quando os livros didáticos gregos sobre matemática e física foram queimados como bruxaria sob o uivo dos fiéis, outras opiniões sobre as possíveis causas da mudança climática não são mais toleradas hoje em dia. Naquela época os negadores de Deus foram queimados vivos pela inquisição da igreja, hoje os seguidores fanáticos da seita anti-CO2 politicamente cada vez mais poderosa fazem tudo com a ajuda da mídia inclinada, políticos e aproveitadores econômicos para ilegalizar os negadores do clima (…) profissionalmente e socialmente. (…) Mesmo os mais altos dignitários da política e da sociedade, incluindo o nosso Presidente Federal, já fizeram uma peregrinação a Greta para uma foto pública e, claro, para pedir-lhe conselhos sobre o problema do CO2 para salvar o nosso planeta. A criança ungida tem todo o gosto em dar bons conselhos. (Sobre) (….) a deusa criança cativa em sua infinita sabedoria com palavras profundas como ‚Tudo é possível‘. (…) Não se trata de centenas de bilhões de euros, mas de trilhões que fluem dos contribuintes para os bolsos das grandes corporações e outros aproveitadores da histeria climática nos países industrializados durante a última década, através de medidas ambientais impostas pelo Estado“.

„Por amor de Deus“, alguém quer gritar. „Estes ‚triliões‘, que de qualquer forma são mais do que duvidosos, nunca, repito, foram investidos na protecção ambiental. A protecção do ambiente, que merece este nome, nem sequer é possível no contexto de uma mega-máquina exclusivamente orientada para o lucro, mas deve sempre ser combatida e ganha por baixo“. E porque não dizer uma palavra sobre os lucros muito reais e muito, muito maiores dos gigantes do carvão, do petróleo e do nuclear? E também do espancamento de todos os protestos contra a sua destruição ambiental orientada para o lucro…

O barril de pólvora criado pela divisão nestes dois pólos de debate é explosivo e altamente perigoso. Porque ao discutir Greta em vez da destruição do planeta, permanecemos nessa matriz opressiva que nos condena aos tomates do poder.

Para aqueles de nós que adoptaram os pensamentos dos governantes, já não lutam contra a sua opressão, já não por uma verdadeira mudança, mas sim uns contra os outros:

Aqueles que, no interesse das elites tradicionais, defendem a visão de que „não há problemas, não há proteção ambiental“ estão combatendo aqueles que, no interesse das novas elites, argumentam „Aqui e agora precisamos de medidas imediatas de proteção ambiental, como o imposto de carbono e o carro elétrico! – e vice-versa.

Nada de significativo pode, portanto, emergir desta guerra de propaganda. Certamente que nem a verdadeira protecção do ambiente nem o início da nossa própria emancipação resultarão dela.

Já que nós em Rubikon não podemos e não queremos aceitar essa „perspectiva“, nosso primeiro livro de Rubikon, „Die Öko-Katastrophe“, foi publicado em 23 de novembro de 2019. Por uma protecção ambiental digna desse nome! Para um sistema económico humano diferente!

E acima de tudo:
Por um fim a esta guerra!
Contra a propaganda e a demagogia!

Vocês também, caros leitores, são convidados a sair das barricadas que foram erguidas e a parar de lutar uns contra os outros e entre si. Em vez disso, lutemos em conjunto por um mundo melhor e mais justo no futuro. Todos nós e também o nosso planeta temos mais do que merecido esta „correcção de rumo“.

Com saudações calorosas
vosso
Jens Wernicke

Fontes:

  1. https://www.rubikon.news/artikel/das-kollektive-stockholm-syndrom
  2. https://www.rubikon.news/artikel/die-scheuklappen-diskussion
  3. https://www.oekom.de/buch/kritik-der-gruenen-oekonomie-9783865817488?p=1
  4. https://www.nachdenkseiten.de/?p=33189
  5. https://kenfm.de/tagesdosis-26-7-2019-sommerhitze-kein-grund-zur-klima-panik/

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Este artigo foi publicado pela primeira vez pela RUBIKON em 23 de novembro de 2019.

+++

Fonte da imagem: Monster Ztudio/ Shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort