Economia global: A calma antes da tempestade | Por Ernst Wolff

Um comentário de Ernst Wolff

Estamos a viver a proverbial calma antes da tempestade na economia mundial e no sistema financeiro global nos dias de hoje. O colapso dos mercados financeiros em Março recuou para segundo plano na atenção pública, assim como o encerramento de indústrias inteiras e a ruptura das cadeias globais de abastecimento em Março e Abril.

Embora seja agora do conhecimento geral que enfrentamos actualmente a pior recessão dos tempos modernos, que desta vez o sistema financeiro só poderia ser mantido vivo por triliões de injecções e que nunca em toda a história da economia houve uma onda tão grande de despedimentos e tão curto tempo de trabalho como este ano – mas isto não parece ser um problema para a maioria das pessoas neste momento.

Existem provavelmente duas razões principais por detrás desta atitude. Em primeiro lugar, há meses que os políticos e os principais meios de comunicação social têm vindo a concentrar-se com considerável sucesso na condução do medo que têm gerado sobre as consequências do Covid-19 a novas alturas. Em segundo lugar, ambos agem como se a economia estivesse agora no caminho da recuperação e uma melhoria já estivesse à vista.

Uma vez que a reputação e a credibilidade tanto dos políticos como dos principais meios de comunicação social sofreram muito nos últimos meses, o número de pessoas que realmente acreditam numa recuperação económica tão milagrosa é pouco provável que seja muito grande. O facto de a maioria das pessoas tender a evitar a questão deve-se provavelmente ao facto de o pânico dos últimos meses ter agora criado um medo geral profundo do futuro entre muitas pessoas, levando a maioria a enterrar a cabeça na areia.

A tarefa mais importante neste momento é, portanto, quebrar esta rigidez paralisante. Mas como? Só há uma maneira: deitando vinho puro sobre a maioria insegura, mesmo que não o queiram ouvir, informando-os incansavelmente sobre os desenvolvimentos actuais e ganhando assim a sua confiança exclusivamente através de análises correctas. Isto requer paciência, mas é um processo que não pode ser acelerado artificialmente.

A fim de a pôr em marcha, é preciso primeiro deixar claro às pessoas que o bloqueio pôs em marcha uma cadeia de desenvolvimentos que se desenrola actualmente com uma lógica implacável e que – desde que ninguém se lhe oponha efectivamente – destruirá a nossa sociedade na sua forma actual, desencadeará enormes convulsões sociais e dará a um triunvirato numericamente minúsculo de políticos, instituições financeiras e corporações digitais a oportunidade de estabelecer uma ditadura digital-financeira sobre as ruínas do sistema existente.

O que nos espera a todos é isto:

A economia, que foi espremida por um colapso do lado da oferta e um choque simultâneo da procura de dois lados, não irá recuperar. Só na Alemanha, centenas de milhares de postos de trabalho serão perdidos na indústria neste Outono e Inverno. Os despedimentos em massa estão iminentes tanto na indústria automóvel e aeronáutica como no turismo, retalho e banca. Mais de meio milhão de empresas só podem servir as suas dívidas contraindo novas, e dezenas de milhares de retalhistas e empresas de catering estão à beira da falência.

Devido a esta situação, os bancos estão sentados numa montanha cada vez maior de créditos duvidosos – com a consequência de que as caixas económicas e os bancos Raiffeisen, que vivem principalmente deste negócio, estão a ser arrastados cada vez mais profundamente para o abismo. Para contrariar esta situação, o governo já prorrogou tanto o subsídio de trabalho a tempo reduzido como a suspensão da obrigação de apresentar um pedido de insolvência.

Contudo, nenhuma destas medidas resolve o problema subjacente, mas apenas o adia e cria um novo problema em troca: a despesa resultante, juntamente com o colapso das receitas fiscais, está a alargar o já enorme buraco no orçamento do Estado e a criar as condições para experimentarmos no futuro uma política de austeridade muito mais acentuada do que temos visto até agora, e isso significa, antes de mais nada: cortes drásticos nas despesas sociais, especialmente nas áreas da educação, saúde e infra-estruturas públicas.

Uma vez que todos estes desenvolvimentos reduzirão o poder de compra geral, os responsáveis não terão outra escolha senão recorrer ao dinheiro do helicóptero. Isto levará muito rapidamente a uma desvalorização cada vez maior da moeda, contra a qual haverá apenas um remédio: a introdução das moedas dos bancos centrais digitais.

Uma vez que estas moedas são dinheiro semi-privado, isto significaria a transição para um sistema em que seríamos regulados, controlados e manipulados por um cartel de grupos digitais, fornecedores de serviços financeiros e bancos centrais, e de cujas garras seria muito difícil escapar.

Não devemos desesperar perante esta evolução, que é previsível em todas as fases, e o imenso poder daqueles que a estão a impulsionar para a frente? A luta contra ela não está há muito perdida?

Certamente que não, para o momento em que a oportunidade da recuperação económica pode ser mantida está a chegar ao fim. Encontramo-nos num ponto de viragem histórico no Outono de 2020. Estamos a enfrentar colapsos económicos e financeiros de proporções monumentais. Assegurarão que milhões de pessoas irão sentir em primeira mão as consequências devastadoras da política da Corona. Não só conduzirá estas pessoas a um conflito muito pessoal, frequentemente existencial, com o sistema existente, como também lhes abrirá os ouvidos a vozes que não ouviram antes ou que não quiseram ouvir.

Todos temos uma oportunidade histórica à nossa frente – a oportunidade de alcançar um grande número de pessoas, não pela força, não por slogans ou propaganda, mas por um trabalho educativo sistemático e de lhes deixar claro que é tempo de reorganizar o mundo dos negócios e as estruturas sociais com base nele – não no interesse de uma minoria gananciosa, mas no interesse da maioria trabalhadora e pagadora de impostos.

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte da imagem: Nadiia Ruda / portadas

+++

KenFM esforça-se por um amplo espectro de opiniões. Os artigos de opinião e as contribuições dos convidados não têm de reflectir a opinião do pessoal editorial.

+++

Gosta do nosso programa? Informação sobre outras possibilidades de apoio aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora também nos pode apoiar com as Bitcoins.

BitCoin endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort