Finalmente vire a política de migração da cabeça aos pés!

O debate sobre a migração na Europa está a ser conduzido por forças de direita e de esquerda de uma forma moralizadora, emotiva e desinformada. A política de migração contorna os efeitos da migração irregular sem considerar as suas causas. As principais pessoas afectadas não têm nada a dizer no debate; em vez disso, vivem numa exploração permanente através do contrabando e dos cartéis do tráfico de seres humanos, da economia do país de acolhimento e das exigências dos familiares deixados para trás.

Um ponto de vista de H. Sunjic.

Há anos que o debate sobre a migração na Europa se encontra num impasse. Cada novo navio de refugiados que não pode atracar, cada trágico capotamento de barcos de armamento marítimo leva aos mesmos discursos e ao mesmo cabo de guerra, sem que o problema como tal se aproxime de uma solução. Isto deve-se principalmente ao facto de a questão da migração ser quase exclusivamente emocional e moralizada. Há alguns anos, a Direita descobriu como os refugiados e os migrantes são adequados como inimigos externos para mobilizar as suas próprias fileiras, alimentar receios e deslegitimar os adversários políticos. As „soluções“ propostas são simples e ideologicamente compatíveis: mais despesas militares e policiais, maior vigilância de toda a população, relançamento de ideologias nacionalistas e autoritárias, danos à integração europeia.

Em contrapartida, as forças democráticas nos campos de esquerda e verdes, mas também os partidos social-cristão e liberal e as ONG estão a cair num discurso igualmente emotivo. A questão é atacar o adversário político e denunciar os seus défices morais. Os migrantes e refugiados permanecem extras nos grandes, sempre a mesma troca de golpes. Não há qualquer ética discursiva racional, pelo que a discussão não conduz a novas soluções.

No entanto, seria tempo, especialmente agora que a histeria de 2015/16 está lentamente a diminuir e a pressão do grande número de chegadas diminuiu, de encontrar uma discussão baseada em factos sobre a migração na Europa. A Áustria – sob o governo de Kurz, um defensor da política europeia de refugiados e migração – teve a oportunidade de se envolver construtivamente após a mudança de governo. Isso seria bom para este país devido à sua história como país de acolhimento de refugiados e mediador neutro.

Refugiados ou migrantes?

Primeiro tens de desvendar os termos. A fuga e a migração não são a mesma coisa e não devem ser constantemente juntas. O sistema jurídico internacional distingue entre as duas formas de migração por uma boa razão. Os refugiados correm o risco de serem perseguidos no seu país por motivos de raça, religião, nacionalidade, convicção política ou pertença a um grupo social indesejável (por exemplo, sindicalistas, ativistas ambientais, vítimas de casamento forçado, pessoas LGBTI, etc.).  Essas pessoas fogem porque estão em perigo de vida e de saúde e precisam de protecção num país que não seja o do asilo. A propósito, „refugiado“ não é um palavrão e não há razão para o substituir pelo termo vago „fugiu“.

Os migrantes (muitas vezes também chamados de refugiados econômicos) se encontram em um tipo diferente de situação difícil. Não vêem qualquer possibilidade de se preservarem a si próprios e às suas famílias e de procurarem um meio de subsistência noutro local. A diferença decisiva é que não há perigo para a vida e os membros em casa.

Isto tem consequências políticas e jurídicas diferentes para os países de acolhimento. Os refugiados não devem, em circunstância alguma, ser reenviados para o país de perseguição, a menos que sejam criminosos de guerra. Isto é muito estritamente regulado pelo requisito de não repulsão da Convenção de Genebra sobre Refugiados. No caso dos migrantes, por outro lado, aplicam-se regulamentos nacionais que permitem ao país de acolhimento decidir, por razões económicas próprias, a quem abrir o seu mercado de trabalho durante quanto tempo.

No discurso da migração, ambos os lados misturam estes dois conceitos. Há quem resmungue que qualquer forma de migração tem de ser travada e suscita preocupações de segurança, razões económicas e diferenças culturais. Os outros respondem frequentemente de forma igualmente indiferenciada, falam de „fronteiras abertas“ e dizem que qualquer pessoa que saia do seu país de origem tem boas razões e deve ser acolhida na Europa. Isto é irrealista e contraproducente.

Se a capitã da Sea Watch , Carola Rackete, exige que deixemos de distinguir entre migrantes, refugiados e refugiados climáticos e que a Europa acolha todos aqueles que partem, esta é uma escalada e uma provocação dirigidas à política europeia. Não oferece uma solução realista. No entanto, o debate sobre se as pessoas em perigo no mar devem ser salvas ou se os socorristas devem ser rotulados de criminosos é quase inconcebível.

Emigração: primeiro a falta, depois a exploração

A autora entrevistou milhares de refugiados e migrantes ao longo dos últimos anos, antes da sua partida, no seu caminho e após a sua chegada à Europa e analisou a comunicação entre os traficantes e os seus clientes nas redes sociais. Surge a seguinte imagem:

No início dos grandes movimentos migratórios, ou há uma falta de segurança e de direitos humanos (depois as pessoas tornam-se refugiados) ou uma falta de meios de subsistência (depois tornam-se migrantes). Após a sua partida, ambos os grupos tornam-se igualmente vítimas de exploração permanente, primeiro por traficantes e traficantes de seres humanos, que fazem um negócio de mil milhões de dólares, depois como mão-de-obra barata no país de chegada, e finalmente pelas suas próprias famílias, que durante anos fizeram pedidos exagerados de apoio financeiro.

A emigração em massa tem um impacto profundo nos países de origem. Em muitos países, as remessas dos emigrantes representam uma parte significativa do produto interno bruto. Ao nível da família de acolhimento, a assistência financeira pode ser útil, mas as remessas dos migrantes para os seus países de origem contribuem sistematicamente para prolongar os problemas.

Os governos corruptos podem regozijar-se duas vezes. Em primeiro lugar, os muito jovens que não querem aceitar as condições estão a emigrar. Em vez de se rebelarem em casa, estão longe. Também enviam dinheiro para financiar a educação, os cuidados de saúde e as pensões dos seus familiares, sem que o Estado tenha de investir em medidas sociais.

São os próprios emigrantes que pagam o preço mais elevado, literal e figurativamente. A grande maioria das pessoas entrevistadas de África, do Médio Oriente e do Afeganistão, mesmo as que vivem há anos na Europa como refugiados reconhecidos, estão profundamente descontentes com o seu destino. Sentem-se explorados, discriminados e traídos pelos seus melhores anos.

A política de migração começa pelo lado errado

A política de migração na Europa tem duas deficiências principais:

Em primeiro lugar, a luta contra a migração irregular deve ser holística e não intervir no final do processo de migração. Não há soluções simples. Precisamos de estratégias que tenham em conta tanto a situação nos países de origem como a responsabilidade política dos países industrializados. No entanto, o discurso caracteriza-se pela miopia geográfica e temporal e é conduzido por ambas as partes numa perspectiva puramente europeia. Só quando os potenciais refugiados e migrantes se aproximam das fronteiras da Europa é que são percebidos pelos políticos e utilizados para os seus próprios fins.

Em segundo lugar, a política de migração ignora completamente o ponto de vista das pessoas afectadas. O parlamentarismo moderno na Europa é normalmente participativo. Todas as pessoas afectadas são ouvidas antes de serem tomadas decisões. Só no debate sobre migração é que isso nunca acontece. As decisões são tomadas por cima das cabeças das pessoas. Os migrantes têm propostas mais práticas, mais próximas da realidade e mais baratas do que as medidas concebidas nos gabinetes ministeriais, como mostra um estudo recente.

Tese 1: O encerramento de fronteiras como meio central de gestão da migração não reduz a pressão migratória, antes a aumenta.

É irrealista e dispendioso querer encerrar milhares de quilómetros de fronteiras marítimas e terrestres. Aqueles que lucram com isso são a indústria de segurança e a indústria de rebocadores, cujos lucros estão a aumentar.

A única diferença é que o problema está a ser transferido para Estados que são económica e politicamente muito mais instáveis do que a UE. Ali, o número de pessoas que partiram para a Europa e que estão agora desesperadamente presas num país onde nunca quiseram ir está a massajar. Espera-se, portanto, que o Norte de África, os Balcãs e a Turquia enfrentem um problema que a UE, no seu conjunto, não conseguiu resolver há anos.

Tese 2: Quanto mais próximos os migrantes estiverem da Europa, mais riscos correrão para chegar ao seu destino.

É hipócrita que os políticos digam que querem fechar os caminhos para a Europa para salvar vidas. As pessoas que chegaram às margens do Mediterrâneo são como corredores de maratona perto da linha de chegada, deram tudo de si. Estão endividados há muitos anos. Eles sofreram medo, fome e sede. Muitos foram torturados e abusados sexualmente, tiveram de pagar resgates a vários grupos armados, foram talvez até escravizados por períodos de tempo mais longos. Todos eles testemunharam mortes e assassinatos. Quase todos os migrantes que vieram através do Norte de África relataram que tinham visto mais pessoas morrer no Sara e por gangues líbias do que afogarem-se no mar.

A família em casa fez grandes sacrifícios e espera uma compensação. Estas pessoas têm apenas duas opções: chegar à Europa ou morrer.

A informação sobre os perigos da migração irregular deve, portanto, começar muito mais cedo do que no Mediterrâneo. É melhor fazê-lo no país de origem, antes que as vítimas da propaganda dos passadores e dos traficantes se levantem.

Tese 3: A Europa necessita de dois sistemas diferentes para gerir a migração económica e os refugiados.

O sistema europeu de asilo está tão sobrecarregado porque não só os refugiados, mas também os migrantes económicos tentam legalizar a sua estadia através do asilo. Isto porque, ao contrário do que acontece na América do Norte ou na Austrália, não existem praticamente quaisquer oportunidades de imigração para os migrantes económicos na Europa.

O sistema de asilo destina-se a proteger aqueles que fogem da guerra e da perseguição e está a sofrer uma erosão em resultado desta aplicação incorrecta. O sistema de asilo pode ser aliviado muito rapidamente, eliminando a migração laboral e regulamentando-a separadamente.

A Europa necessita de programas inteligentes de migração circular, uma espécie de política de trabalhadores convidados 2.0. Ao contrário dos trabalhadores convidados dos anos 70 e 80, esta política não deve ser exclusivamente orientada para as necessidades de mão-de-obra da economia europeia, mas deve também ter em conta as necessidades dos próprios migrantes. Muitas vezes querem empregos onde possam ganhar e poupar dinheiro durante alguns anos, e a aquisição de qualificações que os ajudem a construir uma vida em casa. Isto deve ser complementado por cuidados de acompanhamento no país de origem, programas de tutoria e microcréditos. Tal inverteria a fuga de cérebros dos países de origem e aumentaria o nível global de qualificações. Isso também reduziria a pressão migratória em vez de aumentá-la através do efeito exemplar dos emigrantes.

Tese 4: É mais barato para a Europa e mais seguro para todos prestar cuidados adequados aos refugiados nos países de primeiro asilo.

A guerra na Síria começou em 2011. Só quatro anos mais tarde é que os refugiados sírios chegaram em maior número à Europa. Isto era previsível, porque os países de primeiro asilo foram deixados sozinhos com os seus problemas. Os países doadores forneceram à agência de ajuda aos refugiados da ONU, o ACNUR, apenas 30% (!) dos fundos que teriam sido necessários para fornecer às populações da Jordânia, do Líbano e da Turquia cuidados adequados. Só havia ajuda para os mais fracos. Aqueles que ainda podiam vir para a Europa.

A política europeia não aprendeu nada com isto. Há alguns meses, o autor entrevistou curdos sírios nos campos de refugiados em Sulaymaniya, no norte do Iraque. Aí, a ajuda humanitária foi drasticamente reduzida porque as organizações de ajuda não dispunham de recursos financeiros suficientes. Quando questionados sobre os seus planos para o futuro, muitos refugiados disseram que estavam a pensar em migrar para a Europa. Haveria ofertas suficientes de traficantes.

Tese 5: Procedimentos de asilo melhores e mais rápidos e repatriamento rápido das pessoas que não necessitam de protecção são mais humanos e podem travar a migração irregular.

A qualidade e a quantidade das autoridades competentes em matéria de asilo devem ser melhoradas. Os procedimentos de asilo demoram demasiado tempo. Os requerentes de asilo na Europa vivem frequentemente durante anos numa espécie de vazio. Eles não sabem se devem integrar ou temer a repatriação. Isto cria problemas para a sociedade de acolhimento e para as pessoas afectadas e é mais dispendioso do que procedimentos de asilo eficazes.

Às pessoas que necessitam de protecção deve ser concedido asilo rapidamente para que possam integrar-se. Aqueles que não precisam de protecção devem ser repatriados rapidamente. Isto enviaria um sinal aos outros migrantes nos países de origem de que a migração irregular pode afinal não ser compensadora.

Tese 6: Temos finalmente de pôr fim aos cartéis de contrabando e às redes de tráfico de seres humanos. 

No meio do Verão de 2019 pode ser rebocado da Turquia para Schengen Europa por 5.500 euros, para a Grã-Bretanha por 8.000 euros. A oferta é válida de 1 de Julho a 1 de Agosto. Para o preço de desconto de 3.500 euros você vem da Roménia para a Itália. Ainda mais barata é a viagem da Bielorrússia para a Polónia, que está disponível por 1.000 para adultos e 800 euros para crianças. Os vistos Schengen são vendidos por 2.000 euros, as despesas de viagem não estão incluídas. Os passaportes roubados também estão em oferta. Tudo pode ser encontrado sem criptografia no Facebook e Instagram. Há cartéis criminosos internacionais em acção que dão falsas esperanças às pessoas desesperadas de que o seu último dinheiro seja espremido.

A maioria dos rebocadores são pagos electronicamente. Isto pode ser rastreado até aqui. Aplica-se a velha regra da polícia: Siga o dinheiro! Aqueles que querem acabar com o tráfico devem começar com os fluxos de dinheiro e as estruturas dos cartéis e não apenas prender os pequenos capangas que conduzem os camiões.

Tese 7: A Europa deve continuar a acolher refugiados, caso contrário perderá a sua identidade.

A migração deve e deve ser gerida, mas não há razão para histeria. A Europa não está „inundada“. Apenas alguns países de acolhimento de topo têm até 5.200 requerentes de asilo por milhão de habitantes, a maioria dos quais muito, muito menos. Em comparação, a Jordânia recebeu quase 180.000 refugiados por milhão de habitantes.

A Europa é o berço dos direitos humanos e o continente que sempre ofereceu protecção às pessoas perseguidas por razões humanitárias. Isso faz parte do seu ADN político. Algumas pessoas afirmam hoje que a única forma de proteger e preservar o carácter da Europa é cercar o continente com arame farpado e rejeitar pessoas em perigo de vida. O que acontece é precisamente o contrário: o cerne da Europa, os seus valores e tradições, são assim destruídos e substituídos por um sistema que é incompatível com a democracia e a humanidade.

+++

Este artigo apareceu pela primeira vez na edição atual da revista INTERNATIONAL.

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte da imagem: Achilleas Chiras / Shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort