Fora da crise, numa política de amor

O amor não é apenas uma questão privada, mas o tecto sob o qual toda a política deve ter lugar. Somos suficientemente corajosos para tal revolução? 

Um comentário de Christiane Borowy.

Vale definitivamente a pena a notícia quando dois autores de dois países diferentes falam de forma independente e pública de que o amor é a única saída para a crise da humanidade. Um é o jornalista e autor Dirk C. Fleck e o outro é a autora e ativista americana Marianne Williamson. Nos meios de comunicação social é difícil ouvir quando o amor e a política são pensados em conjunto. No entanto, este poderá ser o caminho para a renovação política, o regresso à democracia e uma economia baseada na parceria.

Em 27 de Outubro de 2019, teve lugar no Schauspielhaus Bochum um painel político sobre o tema „Da responsabilidade para com as gerações futuras – o artigo 20.o -A „verde“: Recursos e protecção das espécies“. A conhecida jornalista Sonia Seymour Mikich moderou. Um dos convidados era Dirk C. Fleck. O seu primeiro discurso já bate com o prego na cabeça: deve ser sobre o amor na política e em cada indivíduo, senão „o planeta debaixo do nosso traseiro apodrece-nos“ (1).

A conhecida ativista pacifista e autora americana Marianne Williamson vê isso de forma semelhante em seu livro „Uma política de amor“, publicado em abril de 2019 (2) e que foi ridicularizado na mídia alemã (3) ou simplesmente ignorado. Mas ambos os autores concordam independentemente: é preciso mais do que criticar o sistema. Precisa tanto de activismo interno como de activismo externo – e não este ano, ou no próximo ano, ou no ano seguinte, mas imediatamente!

Geht´s ainda? 

O establishment político, que significa cerca de 1% da população mundial, fez com que os outros 99% da população mundial, e até mesmo o planeta como um todo, ficassem extremamente doentes nos últimos cem anos. Pior do que nunca na história. A pobreza global, uma indústria militar em constante reprodução, a destruição do planeta Terra, a erosão da democracia, são fenômenos que resultam da ganância desenfreada. A maximização do lucro está sendo colocada cada vez mais radicalmente acima das necessidades do ser humano individual. O resultado é um rápido aumento da desesperança em massa, depressão, doença e um colapso geral da sociedade e da cultura (4).

Segundo Williamson, estas condições políticas e sociais são uma questão de moralidade. O establishment político permite este desenvolvimento tal como os 99 por cento de pessoas que olham para o outro lado e afirmam, por exemplo, que a política não é da sua conta ou que não podem fazer nada. Trata-se de um problema muito mais fundamental do que aquele que pode ser resolvido com medidas superficiais e puramente externas. No seu livro „Go! the Ecodictatorship“, publicado pela primeira vez em 1993 e recentemente reeditado, Dirk C. Fleck escreve: „Há anos que urinamos na nossa sala de estar. Em vez de mudarmos o nosso modo de vida, preferimos discutir a absorção do tapete em todos os termos científicos“. (5)

A humanidade está a perder a cabeça. Williamson também aponta que é urgentemente necessário ter uma perspectiva mais ampla e profunda do que a mera crítica do sistema, que permanece apenas na superfície. Fleck descreve o fenômeno no painel de discussão acima mencionado, no final de outubro, com base em um exemplo no qual ele diz que é como plantar uma pequena usina pouco antes do tsunami para detê-la.

O ódio é alto, o amor (também) quieto

Oh, sim, amor. Seria tão bom se as pessoas se amassem mais umas às outras, não seria? Todos queremos isso, mas basicamente é uma ilusão, não é?

A resposta de Williamson é que a exigência „Amai-vos uns aos outros“ é mais uma chamada de atenção e uma receita de renovação política do que uma receita de salvação pessoal. Claro, há inúmeros exemplos na história do que o ódio e o medo podem fazer, mas há também inúmeros exemplos de como o amor pode fazer muito bem. Mas não vemos as coisas dessa forma.

O problema, diz Williamson, não é que só uma pessoa seja odiosa. Isso se torna especialmente problemático quando os grupos estão cheios de ódio e representam em voz alta suas convicções. É por isso que é importante pensar amor e política juntos. Os processos de transformação têm sido muitas vezes iniciados por grupos, principalmente grupos espirituais, que se voltaram para o amor. Eles prepararam o impulso para a mudança.

Segundo Williamson, é hora de iniciar esta mudança não apenas em pequenos gestos pessoais de amor ou em grupos fechados. Basicamente, cada pessoa tem a tarefa de reflectir sobre este valor.

Chegámos a um ponto que nunca tínhamos experimentado antes desta forma. A humanidade está a enfrentar o abismo. Apenas alguns passos mais adiante, de uma maneira tradicional e antiga, então caímos, e a humanidade perece. É por isso que não é suficiente apenas derramar sobre o amor, é necessário almofadá-lo agora.

Não basta continuar a queixar-se da crise social, económica, religiosa e política. No espírito do monge budista e ativista pacifista Thich Nhat Hanh „Sofrer não é suficiente“, não basta se concentrar apenas no sofrimento e no gemido.

O ódio é alto e dominante e se espalha através da mídia. O amor, por outro lado, é pouco ouvido. É uma tarefa para se levantar mais alto por amor.

Um pré-requisito para isso é que nos lembremos de que o amor é algo natural que pode ser lembrado e alimentado para que a cultura da destruição possa ser contrariada por uma cultura pacífica e amorosa.

Pensando política e amor juntos

Para Williamson, a separação entre política e amor é já uma expressão de uma „perturbação dissociativa“ ancorada culturalmente. Quase como se quiséssemos separar a chuva das nuvens. Por isso, é importante que nos façamos a pergunta: Quem somos nós que temos tantos problemas à nossa volta? É fácil culpar os outros. Somos seres humanos que são naturalmente um só através da sua humanidade. Quando magoas os outros, magoas-te a ti próprio.

Por que estamos nós na Terra – para destruir ou espalhar a liberdade, o amor e a felicidade, para preservar o planeta e superar a nós mesmos? Esta é a pergunta de orientação espiritual do Williamson. Todos têm um direito fundamental a estes valores cristãos centrais, e o Estado deve estar lá para assegurar que as necessidades de paz, liberdade e felicidade possam ser satisfeitas por todos, acredita Williamson.

No entanto, ao estimular o consumo e, por sua vez, uma aparente sensação de liberdade, está-se garantindo que não há felicidade profunda, apenas felicidade superficial. A felicidade carece de substância. Fleck diz no pódio: „A vida cotidiana retira tanta energia para as banalidades. Estamos sobrecarregados e perdemos de vista a superestrutura. Mas o preço é alto.

A fragmentação da política e da espiritualidade ou do amor conduz a uma fragmentação da sociedade, em todo o mundo.

As questões mais profundas da humanidade não devem, portanto, ser separadas da política, como é o caso actualmente, porque, afinal, a participação política e social é uma característica da democracia.

Revolução através do amor

„Devemos agora começar a despertar o nosso espírito revolucionário, pois a tirania na América de hoje não é realmente diferente da tirania em outros tempos ou lugares. Só tem uma marca melhor“, escreve Williamson.

Considera que três tarefas são necessárias para uma mudança profunda e uma renovação política: Primeiro, precisamos analisar a crise social e política e assumir total responsabilidade por como chegamos a esse ponto. Em segundo lugar, temos de corrigir os erros e voltar aos princípios democráticos e aos valores universais. Em terceiro lugar, a política deve ser reorientada de acordo com os imperativos do amor e das preocupações humanitárias, e o actual poder de lucro a curto prazo de um sistema económico amoral deve ser evitado.

Williamson é analítico e de modo algum espiritual. Ela descreve a situação política e nomeia as coisas pelo nome, por exemplo, quando ela chama a política de tirania na América ou se refere ao complexo militar-industrial. Não admira, portanto, que não seja levado a sério e desvalorizado – mesmo nos meios de comunicação social alemães.

Ela ressalta que toda verdadeira espiritualidade leva a moldar ativamente os acontecimentos atuais e a política e a assumir responsabilidades. Isto não significa o que acontece „em nome do amor“, mas sim uma profunda mudança interior que pode iniciar uma mudança exterior. Isto requer, naturalmente, muita coragem para o fazer numa sociedade em que uma política de amor é vista como uma fraqueza. Também requer a busca do amor no ambiente de cada um. Há a ganância, mas também há estadistas e empresários amorosos. É isso que temos de ver e ouvir.

Finalmente, pode-se dizer que poderia ser enriquecedor traduzir o livro de Williamson para o alemão, porque é de importância central olhar para a possibilidade de revolução através do amor. É igualmente necessário falar em palco e na televisão – tão alto – sobre o facto de o amor poder ser a única saída para a crise.

Para isso, porém, é necessário não promover nos meios de comunicação social a divisão acima descrita, desprezando e ridicularizando aqueles que consideram o amor um valor elevado. Dirk C. Fleck, por exemplo, não podia transportar seus temas na mídia, incluindo „o ameaçador desastre ecológico que a humanidade colocou em movimento“, e os editou de forma inovadora.

Dirk C. Fleck resume a necessidade de renovação política através do amor:

„Dar algo sem esperar nada. Tratar os outros com justiça, bondade e simpatia, escutá-los, responder a eles, não é tão difícil, simplesmente não o fazemos como regra. E se pudéssemos fazer isso, surgiria outra sociedade que não poderia mais ser controlada por nenhum poder estatal. Essa é a minha única esperança. Isso seria uma saída concebível. Podemos esquecer tudo o resto. A gota é sugada.“

Leia mais: 

  1. https://www.schauspielhausbochum.de/de/stuecke/183/ausreden-zuhoren
  2. https://www.harpercollins.com/9780062873934/a-politics-of-love/
  3. https://www.fr.de/politik/donald-trump-marianne-williamson-setzt-voll-liebe-12898052.html
  4. https://www.bundesgesundheitsministerium.de/themen/praevention/gesundheitsgefahren/depression.html
  5. https://www.dirk-c-fleck.de/de/go-die-oekodiktatur

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar.

+++

Dica da foto: Brian A Jackson / Shutterstock

+++

Pode encontrar todos os artigos adicionais da categoria „dose diária“ na nossa página inicial: aqui e na nossa aplicação KenFM.

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort