K.O. pela paz. Macron contra Trump

Por Uli Gellermann.

Que mau teatro: Trump faz o lixo desajeitado, Macron dá o subtil, ainda ontem os meios de comunicação alemães eram muito atlânticos, enquanto que, entretanto, se veste por vezes um traje chique da UE, a alta costura da falsa democracia, como se a União Europeia fosse uma verdadeira alternativa à emissão de ordens em Washington. E mesmo à frente, na rampa de acesso ao palco, Annegret KK toca o sinal sonoro do programa candidato: „Aqui estamos nós em estreita troca“, afirmou depois de falar com o seu colega americano Mark Esper. Tratava-se de substituir os „Tornados“ da Força aérea alemã. Trata-se de saber se o bombardeiro de caça da UE deve ser substituído pelos „Eurofighters“ construídos pela França e pela Alemanha, ou melhor, por aviões americanos do tipo „Growler“, uma máquina de assassinato voadora fabricada nos EUA.

O que aparece na performance midiática alemã como a nova encenação das peregrinações de Odisseu entre Cila e Charybdis, como uma antiga tragédia entre lealdade (EUA) e tentação (França), é na realidade a dança habitual em torno do bezerro da armadura de ouro: porque os 963 bilhões de dólares de gastos com armaduras da OTAN são na realidade o centro tentador das deslocações políticas. A empresa germano-francesa Airbus devia fornecer o sucessor dos „Tornados“ com o „Eurofighter“, o „Growler“ é fabricado pela Boing nos EUA, e como a América é sempre a primeira, o tubarão imobiliário à cabeça dos EUA lança-se na luta pelos biliões e os media alemães fingem ser críticos de teatro e não proxenetas da indústria do armamento.

A tarefa mais importante do novo avião de combate, de acordo com a definição dos EUA, é o transporte das bombas nucleares B61 estacionadas na Alemanha. O avião Boing é ideal para isso, enquanto o Eurofighter não tem a „certificação“ necessária. Se o jornal BILD escrevesse abertamente sobre este fundo, a manchete seria: Eurofighter sem o duplo zero para matar. Porque a máquina germano-francesa ainda não tem licença para matar em massa. Mas é claro que nenhum médium alemão escreve ou transmite tão abertamente. Em vez disso, eles relatam sobre as lutas de show no estilo de freestyle catcher, tão hipócrita como-verlogen-can.

De facto, nos anos 60, a independência francesa foi enfatizada com Charles De Gaulle, o general à frente da França, que culminou numa possível aliança com a Rússia: „Se a França e a Rússia se mantiverem unidas, então são fortes; mas se se separarem, então um país e o outro estão em risco. Para compreender isto, o Atlantismo, no seu disfarce miserável, teria de dar lugar à internacionalidade e à percepção dos interesses nacionais. Mas esta visão é obscurecida pela tradicional russofobia da política externa alemã, que é fortemente apoiada pela OTAN. O Vice-Comandante-Geral da OTAN Sir Adrian Bradshaw fala de uma „ameaça existencial“ da Rússia.

A luta entre Macron e Trump pela hegemonia na Alemanha é a luta de diferentes facções do complexo militar-industrial. Seria politicamente sensato se este pequeno fosso entre os interesses fosse explorado a favor de uma maior liberdade de circulação na Alemanha. Mas os construtores de carros Kramp deste mundo só podem pensar na neve de ontem: „Macron quer substituir a Nato. Queremos fortalecê-lo“. Mas, neste momento, haveria algum espaço para uma política externa independente, se tivéssemos a coragem de estabelecer, pelo menos, uma relação neutra com os russos. Assim, na luta pela independência nacional só há um nocaute para a paz.

+++

Fonte da imagem: Frederic Legrand – COMEO/shutterstock

+++

Este artigo foi publicado em 02 de dezembro de 2019 no blog Rationalgalerie.

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort