Levantem a cortina! Fecha a cortina! – O desempenho da dignidade humana…

…no palco do Tribunal Constitucional Federal.

Uma posição de Diana Aman.

Desde 2004 que as pessoas afectadas sofrem com a reforma do Estado-Providência, que foi introduzida sob o lema Hartz-IV no governo vermelho-verde de Schröder e levou a uma expansão maciça do sector do emprego baixo e temporário. Isto significa que não só os beneficiários de prestações sociais Hartz IV são afectados, mas também, indirecta e muitas vezes inconscientemente, todos os trabalhadores – pelo menos até à classe média.

Sob o novo paradigma de „promover e exigir“ as pessoas devem agora ser educadas para a chamada responsabilidade pessoal e afastadas, o mais rapidamente possível, de receber prestações sociais no mercado de trabalho. Para tal, não só a retirada dos benefícios sociais foi ameaçada, se necessário, como também os cortes foram aplicados em grande escala. Um milhão de sanções por ano, incluindo quase dez mil sanções totais, em parte com a abolição dos custos de aquecimento e habitação. Essas normas sancionatórias, que estão legalmente fixadas na lei social no § 31 SGBII, foram finalmente submetidas ao Tribunal Constitucional Federal para exame legal após mais de 15 anos de prática de execução. E isso também só porque ativistas com emprego escandaloso tinham lutado contra todas as adversidades.

Cortina para cima!

O que foi lido para o público na sentença de 5.11.19 continha significativamente mais explosivo do que „as sanções são parcialmente inconstitucionais“, uma vez que foi principalmente divulgado na imprensa. Assim, Hartz-IV também é minimizado em retrospectiva pela mídia e apresentado como se apenas algumas pequenas revisões fossem necessárias. As sanções não só foram declaradas parcialmente inconstitucionais na leitura, mas em princípio completamente criticadas! A gravidade da inconstitucionalidade da lei foi claramente indicada: „Seria contrário ao requisito não relativizável da inviolabilidade (da dignidade humana, A.d.V.), se fosse assegurado apenas um mínimo abaixo do que o legislador já padronizou como mínimo“ (número marginal (Rn), texto de julgamento 119) e „de um ponto de vista constitucional é crucial que o limite inferior de um mínimo humano de subsistência não caia abaixo“. (para. 122) Basicamente, também é bastante simples.

Como deveria ser possível encurtar a partir do mínimo é fácil de responder: de forma alguma! Um mínimo já é o mínimo.

No entanto, o problema não é de lógica simples, mas de uma sociedade que está tão envenenada por uma doutrina de trabalho que não quer reconhecer o fato de que um estado de bem-estar tem que garantir um mínimo de subsistência para cada pessoa necessitada, mesmo que a culpa seja da própria necessidade. Assim, o BVerfG também deve declarar em seu julgamento: „A exigência do Estado de Bem-Estar (…) dá ao legislador o mandato de realmente garantir um nível mínimo de subsistência digno da dignidade humana“. (RN 118) Este direito „pertence a todos, é basicamente indisponível (…) e não se perde mesmo por comportamentos alegadamente „indignos“ (…) não pode sequer ser negado àqueles que devem ser acusados da má conduta mais grave. O princípio do Estado-Providência exige que o Estado tome precauções e cuide também das pessoas com deficiência (…) devido a fraqueza ou culpa pessoal, incapacidade ou desvantagem social. (RN 120)

Depois de palavras tão claras, a discussão poderia ter terminado. A partir deste ponto, todos os desempregados teriam tido o direito de recusar maus salários e maus empregos. Aqui a porta se abriu para entrar numa nova era de dignidade humana!

Mas o BVerfG bateu novamente esta porta, apesar de se contradizer no seguinte. Não podia levar a si mesma a consequência da Lei Fundamental por completo.

Assim, finalmente, restringe novamente o seu próprio julgamento com várias justificações, que não derivam da própria jurisdição, mas de um consenso social e neoliberal, que diz que cada um tem de prover à sua própria subsistência e tem de aceitar também para ela todos os empregos remunerados. Assim se diz finalmente: „O legislador persegue um objetivo legítimo com §31. (RN 13/) Ou seja, superar a própria necessidade de ajuda.

Todos os contribuintes activos ficarão gratos ao BVerfG por esta reviravolta no acórdão. Porque, tão simples e naturalmente, parece que a carga fiscal do público em geral deve ser poupada e que o requisito do Estado-providência pode, no entanto, ser apenas um direito subordinado por detrás da responsabilidade pessoal. Assim, tanto o SPD, nomeadamente Hubertus Heil, como a CDU/CSU, com vários representantes, estão satisfeitos por o tribunal os apoiar na premissa básica de poder exigir cooperação.

Assim, o BVerfG apoia as suas próprias declarações e concede finalmente ao legislador reduções de 30% da taxa normal. Embora estas sanções ainda estejam sujeitas a condições elevadas, são finalmente toleradas como um meio legítimo de exercer pressão. „A redução dos benefícios do requisito de padrão autoritário em 30% especificado no §31 a (…) não é constitucionalmente censurável no valor. (n.o 159) Contudo, apenas se as reduções forem mais deixadas ao critério do empregado do centro de emprego e não forem impostas se possível. Até agora, foi exigido aos colegas de trabalho que executassem as sanções de forma convincente. Agora eles devem examinar se, com isso, se desenvolvem dificuldades especiais, devem ouvir também verbalmente (até agora, o suficiente por escrito) e uma razão para alcançar ativamente (até agora, não necessariamente). As sanções também não podem ser impostas por um período de três meses, mas devem ser levantadas se a pessoa em causa puder provar que tem um dever de cooperação. Isto tem mais em conta a responsabilidade do indivíduo de repelir novamente a sanção, a fim de manter o nível mínimo de subsistência na sua totalidade. Resta ver o que será reconhecido como uma dificuldade especial.

Todas as outras sanções foram publicamente rejeitadas pelo tribunal e revelaram-se irrazoáveis e incompatíveis com a Lei Básica. Uma „redução de 60% dos benefícios do requisito normativo pertinente não é compatível com a Lei Fundamental (…) neste montante grave“. (par. 189) Isto, naturalmente, aplica-se antes de mais nada à privação total. (marginal 201)

Mesmo a urgência e a gravidade da improbidade da prática anterior ficaram claras quando o BVerfG exigiu a alteração com efeito imediato. Até que a lei seja revista, será aplicável uma disposição transitória segundo a qual todas as sanções actualmente superiores a 30% serão limitadas e não poderão ser impostas novas sanções superiores a 30%. Não foi fixado um prazo para um novo regulamento.

Após a leitura do julgamento, ficou a impressão de que o BVerfG confia no legislador com habilidades mágicas. Eles foram encorajados na atitude básica de promover e exigir, mas depois quiseram saber que os fundos eram limitados. No máximo, eles ficaram com uma espada de madeira lixada com a sanção limitada de 30% e, assim, habilmente se retiraram do caso. A contradição fundamental entre a exigência do Estado-Providência e o desejo de afastar as pessoas da sua referência social seria agora deixada ao legislador.

Com um pouco de criatividade, poderíamos agora imaginar um novo projecto de lei que, por exemplo, aumentaria a taxa normal em geral e depois a reduziria ao mínimo com um corte de 30%, em vez de a aplicar como anteriormente. Ou poderíamos considerar os achados da psicologia motivacional, segundo os quais é muito mais atraente ser autorizado a manter uma renda adicional em vez de desistir dela novamente na maior parte das vezes. Da mesma forma, pode-se considerar também a preocupação como competente para decidir melhor sobre seu próprio modo de vida e suas perspectivas do que um estranho colega de trabalho no centro de emprego, para que se conceda a promoção, o que a preocupação considera necessário. Isto quase nunca acontece na prática! Em vez disso, as pessoas são colocadas em medidas inúteis e um especialista em TI então gosta de receber um curso básico no PC.

Também se poderia tornar justo, com um certo senso comum, o fato de que – ao contrário da eterna canção sobre a falta de especialistas – em milhões de pessoas que buscam trabalho, na verdade, só chegam milhares de lugares livres, de modo que se teria que entender, no entanto, vezes sem conta que alguns permanecerão com esta viagem a Jerusalém sempre no sistema social. Mesmo o número infinitesimal de pessoas que realmente não estão dispostas a trabalhar por qualquer razão poderia então ser tolerado. Isso certamente pouparia recursos. Isto é dado ao legislador no caminho. E, até agora, o julgamento é também um grande sucesso para muitos que se preocupam e melhor do que se esperava. Ofereceria muito bom potencial.

Quanto sofrimento teria sido poupado ao povo ao longo de 15 anos, o governo não se deixaria levar nessa altura por essas leis fundamentais e inversas. O alívio deve agora ser enorme!

Assim, a dignidade humana e a Lei Fundamental tiveram sua curta aparição no palco do Tribunal Constitucional Federal. Devemos recordar-lhes isto uma e outra vez e agarrá-lo com veemência. Pois o que ficou escondido ainda é radicalmente digno de crítica.

Cortina fechada!

O BVerfG conseguiu um equilíbrio entre a Lei Fundamental e o entendimento prevalecente da justiça, mantendo assim uma relação tensa, que terá de continuar a ser movida socialmente.

Assim, tanto Katja Kipping (à esquerda) como Katja Kipping se congratula com a decisão como um salto qualitativo e, ao mesmo tempo, o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (SPD) olha para o futuro com mais optimismo. Poder-se-ia dizer: no julgamento, há algo para todos.

E, acima de tudo, o que não foi lido publicamente deve deixar o Governo Federal muito feliz. Mas não são necessários poderes mágicos!

A orientação do BVerfG é clara: diferenciar mais fortemente o tratamento dos desempregados que estão dispostos a trabalhar, mas com deficiência, e dos que não estão dispostos a trabalhar. As pessoas que estão dispostas a trabalhar estão agora sujeitas a um mandato de protecção muito mais elevado por parte do Estado, mas as pessoas que supostamente não estão dispostas a trabalhar serão possivelmente vítimas de represálias ainda maiores.

O legislador foi deixado com muitas opções em aberto para ele fazer o seu mal em segredo. Por exemplo, foram incorporadas várias formulações que conferem ao legislador um poder de definição questionável a seu favor:

Por um lado, é, em princípio, compatível com a Lei Fundamental obrigar as pessoas a participar de forma razoável. (§ 138) No entanto, o que aqui é razoável não está claramente definido, mas é deixado ao critério dos centros de emprego. Para „tais deveres de cooperação são constitucionalmente irrepreensíveis, em especial se forem dirigidos directamente para a obtenção de rendimentos próprios“. Mas isto também se aplica aos deveres cujo cumprimento não gera directamente rendimentos, mas que se referem indirectamente à integração no trabalho…“. (Rn141) De pouco serve se o BVerfG o restringir um pouco mais tarde: „Por outro lado, seria inconstitucional impor requisitos de participação que são inadequados desde o início para trazer as pessoas, pelo menos indirectamente, de volta ao emprego remunerado; as obrigações de cooperação não devem ser abusadas na prática para o paternalismo, educação ou melhoria“. (para. 141) Mas quem quer ser capaz de distinguir isso tão precisamente? A medida, que é frequentemente prescrita para habituar a pessoa em causa a uma rotina diária regular ou a levantar-se cedo, serve agora a integração indirecta no trabalho ou é esta uma prática educativa inadmissível? Que empregado do centro de emprego admitiria alguma vez que não se trata do objectivo da integração na vida profissional?

Em segundo lugar, a passagem relativa às prestações complementares em espécie não é clara. Estas são claramente criticadas na sua forma actual. Mas „constitucionalmente (…) o princípio de que o legislador concede prestações suplementares sob a forma de prestações em espécie (…) não pode ser contestado“. (Rn 196) Isto abre, assim, mais uma vez, um grande espaço para quaisquer vales de alimentação ou outras formas de assédio.

Então, de repente, o parágrafo, no qual mesmo uma redução de 60% é tolerada, contradiz completamente o teor básico do até agora dito: „Se isto (o objetivo de superar a necessidade de assistência) pode ser provado de forma carregável, o legislador pode prever uma sanção particularmente dura para a penetração de lesões por obrigações repetidas também no caso de exceção“. (Rn 193) E uma passagem quase inacreditável pode finalmente ser encontrada no final da Secção E, na qual tudo o que foi dito antes explode subitamente como uma bolha de sabão: do princípio da subordinação dos auxílios estatais, o tribunal subitamente deduz que a rejeição infundada do emprego remunerado, que poria fim à necessidade de ajuda, torna a necessidade factual obsoleta! De acordo com o lema: quem recebe uma oferta de emprego deixa, em princípio, de ser considerado como necessitado. E quem não é necessitado, o bem-estar do Estado-Providência já não tem direito a isso. Portanto: „Se uma tal actividade lucrativa que assegura a existência e (…) uma actividade lucrativa razoável sem razão importante (…) for deliberadamente recusada, (…) deve justificar-se uma retirada total das prestações“. (par. 209) Uma salva de palmas para a mais notável e criativa interpretação da necessidade!

Esta retirada já nem sequer seria regulada por um escalonamento, como anteriormente, em que a rejeição de um emprego poderia ser primeiro reduzida em 30 por cento, depois em 60 por cento e depois em apenas 100 por cento, mas poderia, no verdadeiro sentido da palavra, passar de 0 para 100. Qual era o significado histórico das leis do Estado de Bem-Estar Social? Para proteger as pessoas da exploração no mercado de trabalho capitalista? Estamos muito longe disso. Hoje, pelo contrário, é precisamente uma questão de forçar as pessoas a entrar neste mercado de trabalho, o que também não alterou a decisão do BVerfG.

De onde?

Como é que as sanções antes de o BVerfG ser efectivamente examinado e o que se pode deduzir do acórdão no futuro?

Sem Ralph Boes e sua persistência em resistir a Hartz-IV, este julgamento certamente não teria sido alcançado. Já em 2011, ele começou a recusar-se a entrar no mercado de trabalho, escrevendo numa carta de fogo posto: „A partir de hoje, resisto abertamente a qualquer imposição estatal para aceitar uma oferta de emprego que me parece absurda ou para seguir regras absurdas que me são impostas pelo escritório. Rejeito também por todos os meios a fixação no „trabalho remunerado“ que a realidade há muito que provou ser ilusória“. Isto basicamente abriu caminho a uma acção judicial devido às sanções a 100% que lhe foram impostas em série. Por último, foi financiado e compilado um parecer jurídico sobre esta acção, que demonstra a inconstitucionalidade das sanções da forma mais clara e foi tornado público. Mas nos julgamentos de Ralph Boes, todos os juízes se recusaram a submetê-los ao BVerfG. No entanto, uma pessoa de Erfurt afetada por sanções também usou o modelo de processo judicial e apresentou-o ao Tribunal Social de Gotha, que finalmente apresentou o projeto de lei do juiz. Foram necessários seis anos desde a preparação do parecer do perito até à pronúncia do acórdão. Mesmo no final, o Governo Federal tentou impedir o julgamento perante o BVerfG, deixando um escritório de advocacia encontrar o erro formal de que o Tribunal Social de Gotha provavelmente não usou sua própria convicção, mas um esboço de uma iniciativa de cidadania de renda básica da Internet. (ver observações sobre a audição, Kanzlei Redeker/Sellner/Dahs)

Resumindo: o julgamento é um grande sucesso para todos os desempregados que estão dispostos a trabalhar e que também podem ser impedidos de se integrarem na vida profissional por doença ou dificuldades sociais.

A este respeito, ele amortece grande sofrimento que tem sido causado sem sentido e ilegalmente por mais de 15 anos.

A questão que se coloca é a de saber quem deve ser responsabilizado aqui. Como é que os danos causados a milhões de pessoas podem ser reparados?

Mas a sociedade certamente precisará de algum tempo para admitir isso. O desemprego continua a ser um estigma moralmente grave e é considerado auto-infligido.

Mas o julgamento abre a possibilidade de repensar a nossa sociedade. Para isso basta levar a sério os direitos fundamentais há muito garantidos, que o BVerfG – apesar de suas próprias contradições na decisão – tem enfatizado muito claramente: Os direitos fundamentais não estão disponíveis e não estão vinculados a um pagamento adiantado. Todos têm direito a uma existência digna e não têm de a ganhar primeiro.

Hoje, o BVerfG ainda julga de forma inconsistente com base em uma ética de trabalho ultrapassada. Mas a semente foi lançada para superar em algum momento as reservas que se opõem ao caminho de uma sociedade baseada na confiança, na liberdade do indivíduo, na autodeterminação e num conceito de trabalho que não visa a aquisição para si mesmo, mas a satisfação das necessidades de sua contraparte. Isso requer uma nova compreensão do trabalho e um direito indisponível de viver com dignidade. O BVerfG já reforçou significativamente este último aspecto. A primeira ainda está pendente.

Todas as denúncias de Ralph Boes contêm não só o parecer jurídico acima referido, que foi agora tratado em Karlsruhe, mas também sempre o primeiro pedido de apresentação da seguinte questão ao BVerfG:

O CONCEITO DE TRABALHO apresentado pelo Centro de Emprego e a definição do „interesse do público em geral“ em que o Centro de Emprego mede o valor do trabalho fazem justiça à natureza do trabalho, ao seu verdadeiro benefício para a sociedade, ao respeito pela dignidade humana e ao direito ao livre desenvolvimento da personalidade?

Movimentar esta questão será a tarefa de amanhã. Mesmo que não traga nenhum ganho. Mas faz todo o sentido!

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte da imagem: Nitpicker / obturador

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort