O conflito na Catalunha – cuidado, armadilha!

Um ponto de vista de Pere Grau.

Em 26.10.2019 a KenFM publicou um artigo sobre o conflito entre a Catalunha e a Espanha. Este „ponto de vista“ recordou-me, uma vez mais, a facilidade e a frequência com que jornalistas alemães (e outros) que têm boas intenções caem na armadilha da propaganda nacionalista espanhola.

Muitos estrangeiros simplesmente não conseguem entender que a maioria dos meios de comunicação espanhóis que usam como fontes são simples porta-vozes de quem está no poder. Seus proprietários e colaboradores (ou ambos) sempre prestam homenagem à mesma maneira de pensar e colocam o dogma da unidade espanhola acima de todos os outros critérios, não importa o quanto a verdade sofra. E como os catalães são resolutos contra este dogma sagrado, são bombardeados com difamações, distorções da verdade e insinuações grosseiras.

Irei apenas comentar uma pequena selecção dos mesmos, na esperança de que estes exemplos ajudem a compreender quão pouco a informação espanhola sobre o conflito catalão pode ser considerada séria e quão pouco a democracia espanhola pode ser considerada exemplar.

Falso 1: falsas acusações de corrupção.

A corrupção é um fenómeno que – infelizmente – pode ser encontrado em todo o lado. Também na Catalunha. Ninguém está a tentar varrer isto para debaixo do tapete. Mas, infelizmente, as acusações de corrupção têm sido demasiadas vezes utilizadas para desacreditar os políticos catalães sem justificação. Os exemplos incluem o ex-Primeiro-Ministro Artur Mas e o ex-Prefeito de Barcelona Xavier Trias.

Contra ambos, espalharam-se rumores de que tinham „estacionado“ milhões de dólares em contas suíças. Isto custou a Xavier Trias a sua reeleição como presidente da câmara. No entanto, pesquisas sérias provaram mais tarde que estas acusações foram feitas de ar puro. No entanto, nenhum dos perpetradores jamais se desculpou por isso.

Um caso de natureza diferente é o do antigo Primeiro-Ministro Jordi Pujol. Desde que foi preso, torturado e banido durante a ditadura franquista, seu pai abriu uma conta em Andorra (para proteger a família se algo semelhante voltasse a acontecer), que deveria estar disponível para sua nora e seus netos, se necessário. Sobre ela foram depositados 10 milhões de pesetas (que hoje corresponderiam a cerca de 60.000 €), que já foram tributados. Portanto, não há dinheiro negro.

O erro de Jordi Pujol (ele mesmo disse „eu era um burro“) foi – após a morte de seu pai – não declarar esse dinheiro e pagar imposto sobre a herança por ele. Todo o processo foi aparentemente conhecido das autoridades espanholas durante muito tempo, mas só quando Pujol aderiu ao movimento de independência é que se tornou um caso de corrupção de muitos milhões de euros, para desacreditar Pujol, infelizmente com êxito, junto da população. Quem conhece Pujol sabe que é um homem íntegro, que muitas vezes negligenciou a família por causa dos seus ideais para a construção do país. Ele era e não é corrupto. Aqueles que foram corruptos, por outro lado, são dois de seus filhos que já foram expostos. Há muito que os dois são objecto de processos judiciais. Tudo isto foi deliberadamente utilizado para destruir deliberadamente um ícone catalão como Jordi Pujol.

Falso 2: Os catalães odeiam o espanhol e a língua espanhola.

Isto é, se me é permitido dizê-lo, errado. As maçãs não devem ser confundidas com pêras. Para além de alguns casos possíveis (a minoria absoluta), os catalães não „odeiam“ a língua de tantos dos seus concidadãos. Os catalães querem simplesmente que a sua própria língua desempenhe no seu próprio país o papel que ele merece. Naturalmente, o espanhol já não desempenha um papel tão dominante em muitos domínios como no passado, embora continue a ser a língua mais falada nas ruas e nos meios de comunicação social. No entanto, os estudantes catalães muitas vezes têm melhores notas na língua espanhola do que em algumas outras partes da Espanha. E não esquecer: as expressões de ódio de muitos espanhóis contra a Catalunha são muito numerosas e suficientemente documentadas (1).

Falso 3: Oriol Junqueras (presidente da esquerda republicana catalã e condenado arbitrária e ilegalmente a 13 anos de prisão) é muitas vezes atacado como racista.

Esta alegação é embaraçosa para o risível. As observações de Junqueras sobre similaridade genética ou dissimilaridade com espanhóis, franceses ou qualquer outra pessoa não têm nada a ver com racismo, já que Junqueras nunca disse que outros povos eram inferiores por causa disso. Pode-se compreender melhor as frases de Junqueras, quer concordemos ou não com elas, se soubermos que a arqueologia e a historiografia modernas estabeleceram que, contrariamente às teorias anteriores, as migrações de povos no Paleolítico, mas especialmente na Idade do Bronze, procederam de forma diferente da anteriormente assumida. E na Península Ibérica, a investigação encontrou um limite claro no vale do rio Ebro. Ao sul, a terra foi povoada por povos que podem ter vindo de África. Ao norte dele (também na Catalunha de hoje) o país foi povoado por pessoas da cultura Hallstatt indo-européia, o que poderia ser refletido nas características genéticas, em qualquer extensão.

O trabalho padrão sobre este tema é „Les arrels de Catalunya“ („A raiz da Catalunha“) do arqueólogo Miquel Tarradell (Ediciones Vicens Vives, Barcelona 1982), com numerosas referências bibliográficas.

O fenómeno repetiu-se na Idade Média. Após a reconquista do país pelos invasores árabes, muitas áreas frequentemente despovoadas foram habitadas por pessoas do actual Languedoc e da Provença, o que ainda hoje se reflecte na semelhança entre o catalão e o occitano.

Então: Junqueras apenas apontou (mais ou menos inteligentemente) um fato que não tem nada a ver com racismo ou desprezo pelas nações.

Outra sentença de Junqueras foi também deliberadamente mal transmitida aos leitores espanhóis. Diz-se, seguindo a estratégia de difamação, que Junqueras disse que todos os espanhóis eram predadores e hienas. No entanto, ele usou estes termos muito especificamente apenas para os espanhóis que espalham notícias falsas sobre a Catalunha e incitam arbitrariamente ao ódio contra os catalães. O facto de ter sido durante quatro anos presidente da câmara da sua residência, Sant Vicenç dels Horts, uma pequena cidade (cerca de 17.000 habitantes) nas proximidades de Barcelona, demonstra bem como se processam estas acusações racistas contra Junqueras.

Há uma clara maioria de habitantes de língua espanhola na cidade, e Junqueras ganhou os seus votos ao procurar constantemente a proximidade dos cidadãos, de TODOS os cidadãos, e ao gerir tão bem o seu gabinete que teria sido reeleito se não tivesse mudado para o Parlamento catalão em 2015. Entre as vozes que protestaram contra a acusação racista contra Junqueras estão em particular as associações de cidadãos de língua espanhola de Sant Vicenç dels Horts.

Falso 4: Maçãs e peras continuam a ser confundidas com outra afirmação absurda, nomeadamente que „os separatistas“ não só exigem a independência da Catalunha, como também reivindicam outros territórios em Espanha, França e Itália, que são considerados „países catalães“.

O que é verdade é que não são apenas os catalães, mas também muitas pessoas em Valência, nas Ilhas Baleares e no Roussillon, que se consideram como pertencendo a uma nação catalã, mas apenas culturalmente, o que nada tem a ver com reivindicações estatais ou políticas. A língua catalã sempre foi uma confederação política. E o objectivo da política cultural catalã tem sido promover a língua catalã nestas áreas, sempre que necessário.

Politicamente, porém, acredita-se que, quer Valência ou as Ilhas Baleares queiram um futuro diferente, este é um assunto que lhes diz respeito e os catalães não têm nada a dizer. Muitos valencianos e mallorcanos, por exemplo, deixaram repetidamente claro que não querem trocar o paternalismo de Madrid pelo paternalismo de Barcelona.

Por isso, se num futuro distante surgir uma „Grande Catalunha“, é porque todos a querem assim e não apenas uns quantos catalães de cabeça grande.

Falso 5: Depois de 1977, os governos catalães foram acusados de terem apoiado a „imprensa separatista“ com subsídios e de terem „doutrinado“ a juventude extensivamente através da televisão e escolas catalãs manipuladas, entre outras coisas com mitos e falsificações da história.

Se isto é verdade, então as constantes dificuldades financeiras dos poucos jornais catalães são mais do que incompreensíveis.

Os ultra-nacionalistas espanhóis que dizem essas coisas deveriam antes olhar atentamente para si próprios a este respeito. Para nada mais do que mitos, a falsificação da história e a doutrinação é o que os governantes espanhóis têm vindo a fazer nos últimos 300 anos.

O que realmente se fez foi negar às crianças a verdadeira história do país, que muitos historiadores catalães de impecável reputação internacional têm vindo a investigar há mais de 100 anos. Estes são historiadores como Rovira i Virgili, Soldevila, Vicens i Vives e outros que têm sido altamente considerados pelos estudiosos europeus.

Falso 6: Os separatistas estabeleceram uma ditadura linguística na Catalunha a favor do catalão, tal como Franco estabeleceu uma a favor do espanhol.

Note-se que o catalão continua a correr o risco de se tornar gradualmente um fenómeno residual sem financiamento público, ainda menos significativo do que o occitão em França ou o baixo alemão na Alemanha. Este é o resultado dos períodos desde 1714 até hoje em que o catalão foi proibido ou de alguma forma entravado na sua utilização e desenvolvimento. O período sob Franco tinha sido apenas o último e o mais difícil, mas não o único. Algumas perguntas aos estimados leitores: é tão repreensível que na Catalunha os restaurantes sejam obrigados a oferecer os seus menus em catalão? Isso significa excepto em espanhol, inglês, russo ou japonês por minha causa? É assim tão condenável que os catalães queiram utilizar a sua língua, que é uma parte indispensável da sua identidade, nas suas relações com as autoridades?

Muitas vezes isto não é possível porque a maioria dos funcionários espanhóis que estão empregados na Catalunha pelo Estado espanhol nem sequer compreendem catalão. E isto aplica-se a juízes, procuradores, polícia ou autoridades financeiras. O Governo catalão solicitou em diversas ocasiões que os funcionários afectados à Catalunha, que devem ter um contacto oficial com os cidadãos, compreendessem pelo menos suficientemente o catalão.

No entanto, esta proposta foi rejeitada porque, alegadamente, significaria „discriminação“. Será que se pode imaginar que na Suíça haveria funcionários públicos que não entendem alemão em Zurique, francês em Genebra ou italiano em Lugano?

Ainda se pode preencher página após página com ele, mas eu gostaria de deixá-lo assim. Era importante para mim salientar que, antes de escrever sobre o conflito catalão, é preciso fazer uma investigação exaustiva e estar atento às armadilhas da imprensa espanhola.

Graças a Deus, também há jornalistas que não são ingénuos o suficiente para se envolverem nisto. Um deles uma vez respondeu a um comentário elogioso: „É estranho ser elogiado só porque você exerce sua profissão corretamente…“. Gostaríamos de ver muitos mais relatores deste tipo.

Fontes:

  1. https://peregraurovira.wordpress.com/2016/07/11/wenn-der-unsinn-alltaegliches-brot-wird/
  2. https://peregraurovira.wordpress.com/2016/07/15/einstein-hatte-recht-und-wie/

Site próprio sobre o conflito catalão: https://peregraurovira.wordpress.com/eine-seite/

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar o artigo.

+++

Fonte da imagem: Vjacheslav Shishlov/ Shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort