O custo das guerras após o 11 de Setembro: 6,4 triliões de dólares – 3,4 milhões de mortos

Um comentário de Hermann Ploppa.

Em 13 de novembro deste ano, um grande momento de verdade aconteceu no meio do estabelecimento de Washington. O senador democrático Jack Reed, do menor estado norte-americano das Ilhas Rhode, convidou dois especialistas da Brown University de sua cidade natal, Providence. Neta Crawford e Catherine Lutz são co-diretoras do projeto Cost of War na Brown University. Eles confrontaram o establishment de Washington com o fato nu de que, desde 11 de setembro de 2001, cerca de 801.000 pessoas foram mortas nas guerras contra o terrorismo. (1)

Os autores deixaram claro que apenas eram contadas as vítimas de guerra que estavam directamente envolvidas em actos de guerra. O número de mortes de guerra seria muitas vezes maior se fossem acrescentadas as pessoas que não receberam cuidados médicos adequados devido à destruição da infra-estrutura civil causada pela guerra. Neta Crawford estima o custo das guerras travadas após 11 de Setembro de 2001 num total de 6,4 triliões de dólares (americanos: triliões). (2)

Destes, 5,4 biliões são responsáveis por operações militares num total de nada menos do que 80 países que arrastaram os EUA para as suas guerras desde 2001. Mais um trilião terá de ser aumentado até 2059 para abastecer os veteranos de guerra dos EUA. Os autores atribuem importância à afirmação de que estas guerras não foram impostas aos EUA, mas foram instigadas arbitrariamente („por escolha“).

E os responsáveis por essas guerras, que são tão supérfluas quanto literalmente desastrosas, são extraordinariamente hábeis em esconder esses custos dos olhos da população. Para o ano fiscal de 2018, o Departamento de Defesa dos EUA tinha dito às pessoas de fora do país que a carga fiscal das guerras estrangeiras contra o terrorismo em todo o mundo era exatamente $7.623 para cada cidadão americano naquele ano. Isso já é flagrante o suficiente. Todos os anos, para as guerras em países cuja localização exacta dificilmente qualquer cidadão americano consegue identificar, para não mencionar as razões exactas pelas quais os soldados americanos têm de agir altamente armados para lá gastar tanto quanto para um carro de classe média usado, já é suficientemente difícil de mediar. Esta é uma das razões pelas quais a distância dos cidadãos ao seu governo federal em Washington é cada vez maior. Mas, de acordo com Crawford, o Pentágono só nomeia os custos directos para as Operações de Contingência no Estrangeiro. Mas os custos reais, como Crawford meticulosamente prova, são distribuídos entre todos os tipos de ministérios, em particular: O Departamento de Segurança Interna, o Departamento de Estado e, sem esquecer, o Departamento de Veteranos, que é muito importante nos EUA. Se você somar tudo isso, um carro de médio porte novinho em folha para cada cidadão americano se reúne todos os anos.

Desde 11 de Setembro de 2001, a guerra entre os EUA e o resto do mundo adquiriu uma qualidade radicalmente nova. As anteriores guerras americanas foram financiadas por aumentos de impostos e pela emissão de títulos de guerra. Os aumentos de impostos são extremamente impopulares entre os cidadãos dos EUA. Esta é uma das principais razões para o surgimento de movimentos populistas de direita, como o Tea Party, cujos apoiantes prefeririam abolir completamente o Estado e atirar no estabelecimento de Washington diretamente na lua. Talvez George Bush II. tivesse fracassado muito rapidamente se tivesse imposto novas cargas fiscais aos cidadãos americanos pelas guerras sem sentido e ruinosas no mundo inteiro. É por isso que Bush e os seus promptlers Rumsfeld e Cheney recorreram aos meios da dívida pública extrema. Podemos dizer muitas coisas menos simpáticas sobre o antecessor de Bush, Bill Clinton. Mas ele não só tinha libertado o orçamento dos EUA da dívida. Quando ele entregou o escritório a Bush, o orçamento do Estado mostrava uma vantagem gorda. A dívida nacional artificial e desinibida tem um charme irresistível para a cena financeira. Porque agora o Estado dos EUA, juntamente com os seus cidadãos, afundou-se na escravatura dos bancos privados. E vale a pena. Como explica Crawford, só o serviço da dívida da máquina de guerra dos EUA contribuiu com 925 bilhões de dólares para os custos totais da Guerra Global contra o Terrorismo desde 2001. E, continua o autor, mesmo que os EUA se retirassem da guerra global contra o terrorismo de um dia para o outro, não conseguiriam sair desse número durante gerações em termos de custos. O serviço da dívida para juros e juros compostos será mantido. E também os cuidados pós-operatórios para os soldados americanos mutilados e severamente traumatizados – até à sua morte.

Isso nos leva aos custos físicos e psicológicos da GWOT, como os americanos chamam a Guerra Global contra o Terror em sua fúria curta. E sobre as consequências infra-estruturais. A Brown University in Providence, por sinal uma das mais antigas e veneráveis universidades dos EUA, estima o número de mortos em 801.000 pessoas, apenas em combate direto. E estimam, repitamos, que o número de mortes causadas pela destruição da infraestrutura é „muito maior“. Isto também chegou à órbita política de Washington. Nesse dia 13 de novembro de verdades não envernizadas, Neta Crawford também falou à tarde diante do Congressional Progressive Caucus, um grupo de congressistas de ambas as casas do Partido Democrata, cujos membros difamamam a ferramenta de propaganda do Pentágono Wikipédia como „anti-semitas“. (3) O professor de Rhode Island apresentou uma comunicação sobre a destruição ambiental causada pela GWOT. (4)

Os congressistas progressistas há muito que procuram trazer a justiça social, a política de paz e a consideração das minorias para a política. O jornal online The Hill também pertence ao ambiente do pensativo. A Colina alude ao Capitólio, a colina em que se ergue o Capitólio do Congresso de Washington. Em particular, querem influenciar os membros do parlamento e os seus funcionários. E assim um artigo notável, por padrões americanos invulgarmente sensível sobre o sofrimento das vítimas mundiais do GWOT apareceu em The Hill no mesmo dia 13 de Novembro: „Calcular os custos da guerra: é tempo (finalmente) de assumir a responsabilidade“. (5)

Aqui é relatado em detalhe quais as consequências gigantescas que a guerra tem sobre a população dos EUA: „Milhões de pessoas são afetadas em todo o país, o dano coletivo é dificilmente representavel“. Um quinto de todos os veteranos de guerra das guerras pós-11 de Setembro sofrem de distúrbios pós-traumáticos – expressos em números: 400.000 lamentáveis cidadãos americanos. Além disso, a taxa de suicídio entre os veteranos aumentou enormemente. Hoje, mais soldados morrem por suicídio do que por combate. Os retornados de guerra são mais propensos a usar a violência contra os seus familiares do que outros concidadãos, e são mais propensos a cometer crimes e muitos deles acabam por ficar sem casa na rua. (6)

Mas os distúrbios entre as pessoas nos países arruinados pelo monstro GWOT são ainda maiores. Anna Badkhen relata isso de forma muito viva e empática no segundo órgão central do Conselho de Relações Exteriores (7), o Foreign Politics (8), já em 2012. Badhken relata um relatório de investigação em nome do governo dos EUA. De acordo com o relatório, 42% dos afegãos já se tinham tornado conspícuos com perturbações pós-traumáticas em 2002, ou seja, quando os EUA tinham acabado de „iniciar“ a sua guerra contra o terrorismo. E mais de dois terços dos afegãos sofriam de depressão grave. Entre 30% e 70% das pessoas nos países onde o Complexo Industrial Militar está lutando contra o terrorismo „carregam as cicatrizes da perturbação pós-traumática e da depressão“. Desde o 11 de Setembro, uma tendência radicalizada que já era visível antes. Na Primeira Guerra Mundial, a guerra ainda era travada em zonas especiais, por exemplo, nas trincheiras do norte da França. A população civil foi largamente poupada dos combates. Na Segunda Guerra Mundial, a população civil já estava muito mais fortemente envolvida nas lutas por bombardeamentos. „Mas depois de quase 50 anos de Guerra Fria e 10 anos de guerra contra o terror, a guerra que estamos travando tornou-se mais pessoal. Os campos de batalha terroristas não têm linhas da frente. As guerras confessionais desagradáveis trazem vizinhos contra vizinhos. As vítimas de campanhas de genocídio muitas vezes conhecem o seu torturador pelo nome. Acredita-se que nas guerras recentes, pelo menos nove em cada dez vítimas são civis.“ Também não existe um „Plano Marshall“ segundo o qual as cidades e aldeias e os campos destruídos em terra poderiam ser reconstruídos. Para os afegãos mentalmente arruinados, por exemplo, havia apenas mais 200 camas ruins do que as de direita em instituições psiquiátricas em 2012.

E o jornal The Hill diz ao congressista: não só que um em cada cinco iraquianos sofre de transtornos mentais graves. A situação é ainda pior para os jovens, 56% dos quais sofrem de perturbações pós-traumáticas. E 12,5 milhões de pessoas do Iraque, Afeganistão, Paquistão e Iêmen estão fugindo do massacre de guerra em sua terra natal. The Hill: „Não temos a obrigação de enfrentar nossa responsabilidade individual e coletiva pela destruição causada pelo nosso governo? Foi o dinheiro dos nossos contribuintes e o nosso consentimento silencioso que tornaram estas guerras possíveis. Enquanto os EUA não são obviamente o único actor responsável pelos danos causados pelas guerras após o 11 de Setembro, os dirigentes dos EUA são os principais responsáveis por terem instigado guerras catastróficas, que de qualquer forma não eram inevitáveis, mas o resultado de decisões conscientes“.

Atrasos urgentes nos Estados Unidos da América. É duvidoso, como sempre, se essas vozes da razão têm alguma chance de virar a maré em Washington antes que ocorra a grande implosão.

O autor Hermann Ploppa acaba de publicar seu último livro „Der Griff nach Eurasien – Die Hintergründe des Ewigen Krieges gegen Russland“ („The Reach to Eurasia – The Backgrounds of the Eternal War against Russia“), que pode ser encomendado diretamente ao autor: liepsenverlag@gmail.com.

Fontes:

  1.  https://watson.brown.edu/costsofwar/files/cow/imce/papers/2019/Direct%20War%20Deaths%20COW%20Estimate%20November%2013%202019%20FINAL.pdf
  2. https://watson.brown.edu/costsofwar/files/cow/imce/papers/2019/US%20Budgetary%20Costs%20of%20Wars%20November%202019.pdf
  3. https://de.wikipedia.org/wiki/Keith_Ellison
  4. https://watson.brown.edu/costsofwar/files/cow/imce/papers/Pentagon%20Fuel%20Use%2C%20Climate%20Change%20and%20the%20Costs%20of%20War%20Revised%20November%202019%20Crawford.pdf
  5. https://thehill.com/opinion/national-security/470128-reckoning-with-the-costs-of-war-its-time-to-take-responsibility
  6. https://www.youtube.com/watch?v=o9zRQijCN5w
  7. https://www.heise.de/tp/features/Der-Klub-der-Weisen-Maenner-3419681.html
  8. https://foreignpolicy.com/2012/08/13/ptsdland/

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar.

+++

Dica de imagem: Sean Locke Photography / Shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort