O mundo não se recuperará da mudança climática alemã

Um comentário de Rainer Rupp.

Não importa o que aconteça na Alemanha ou na UE para salvar o clima, pelo menos dois terços das futuras emissões de CO2 dependem de países que sorriem para a „ciência climática do CO2“ ocidental como hocus-pocus. No entanto, o Governo alemão e, com uma excepção, todos os partidos estão determinados a empurrar a nossa indústria dependente do CO-2 para a sujidade, destruindo assim milhões de postos de trabalho.

Tendo em conta que, nos últimos anos, nenhum dos grandes grupos financeiros saltou para o comboio das dezenas de triliões de euros de CO2, não é de admirar que o Governo alemão, enquanto porta-estandarte do neoliberalismo da UE, também se tenha empenhado com grande vigor em „salvar o clima“, eliminando o carvão, o petróleo e o gás natural do balanço energético alemão. O objectivo é substituir as fontes de energia comprovadas, altamente energéticas e fiáveis que podem ser armazenadas à vontade por fontes de energia alternativas, como moinhos de vento e células solares, que são notoriamente pouco fiáveis, por exemplo, com pouco vento e sol, e cuja produção de energia é muito ineficiente em comparação com o carvão, petróleo e gás, não pode ser armazenada, mas é muito mais cara.

As consequências desta política climática para a nossa indústria e empregos, que dependem fortemente de energia barata e fiável, são incalculáveis. O facto de as massas dos chamados „pequenos“ terem de se pagar a si próprias pela destruição dos seus postos de trabalho industriais, nomeadamente através do aumento dos preços da energia e dos impostos sobre o CO2, acrescenta a coroa a toda a loucura. Mas provavelmente esta política de redistribuição adicional de baixo para cima é suposto reduzir as expectativas das classes mais baixas em relação a novos empregos no neo-feudalismo.

Com a destruição arbitrária da sua estrutura industrial tradicional, a Alemanha está, naturalmente, a dar um salto gigantesco de volta ao passado sem CO2. Mas os trabalhadores flexíveis encontrarão empregos modernos e novos, por exemplo, nas grandes propriedades da aristocracia monetária, como jardineiros, cozinheiros, cocheiros ou camareiras. Sem um conselho de empresa, claro.

É espantoso que, de todos os partidos, grande parte do partido „Die Linke“ ainda não considere suficientemente radical a política climática extremamente anti-social do Governo Federal. Isso é lógico, porém, se considerarmos o desenvolvimento da juventude de esquerda que agora chegou firmemente ao Wolkenkuckucksheim pós-industrial. Eles estão ofegando depois de cada quadril, novo movimento e perderam completamente de vista a preocupação social central da esquerda.

Depois do movimento de gênero e da descoberta de 49 outros sexos ao lado de homens e mulheres, gays e lésbicas, a Juventude de Esquerda dedicou toda a sua força e atenção benevolente à chegada descontrolada de um milhão de migrantes. O seu grito de batalha propagandístico „Sem Fronteiras! No Nations“ não se calou até hoje. Ninguém pensa nas consequências sociais e societais da sua procura para o nosso país. Mas o debate sobre o clima deve piorar ainda mais.

Fascinada, a jovem de esquerda seguiu como a profetisa do clima infantil da Suécia, com suas fantasias do dia do juízo final, fez com que os jovens mimados da classe média alta do Ocidente saíssem às ruas para salvar o mundo em demos da FfF. Rapidamente, a juventude de esquerda saltou para este comboio sem pensar, por exemplo, nas consequências potencialmente catastróficas deste desenvolvimento para o emprego e o bem-estar das massas trabalhadoras.

Como, por exemplo, a tributação do CO-2 afecta principalmente as camadas mais pobres da população, pode ser lido no exemplo da Holanda, em Julho passado, no website „Makroskop“, gerido pelo Professor Flassbeck e pelo Dr. Steinhardt. Sob o título: Nas armadilhas do discurso do clima (1), uma previsão foi apresentada pela consultoria holandesa CE Delft (2), segundo a qual, no contexto do chamado resgate climático, a parcela dos custos de energia na renda familiar descartável das famílias mais ricas na Holanda aumentará para 5,7% em média até 2050, mas para 17% das famílias mais pobres. É fácil calcular que, se a renda e os custos acessórios já representam 50 por cento do rendimento, não sobrará muito para a alimentação e outras coisas.

Assim, embora as famílias ricas não sintam sequer o preço do CO² (embora sua pegada de CO² dos SUVs, viagens de longa distância e casas grandes seja particularmente grande), isso pode ser uma questão de sobrevivência para as famílias pobres. Enquanto grandes setores dos grupos populacionais menos privilegiados estão preocupados com a carga adicional que representam os esforços intensificados de redução de CO2, a esquerda está enfrentando demandas climáticas cada vez mais radicais.

Tadzio Müller, por exemplo, orador na Fundação Rosa Luxemburgo do Partido da Esquerda, a favor da justiça climática e da política internacional, apela à „protecção do clima – mesmo que se torne difícil“ para os trabalhadores (3). Ulrich Brand, professor de Política Internacional na Universidade de Viena, com foco na política ambiental e de recursos naturais, chegou recentemente a reprovar os setores social e ecologicamente sensíveis dos sindicatos da „Bättern für Internationale Politik“ por sua demanda por crescimento sustentável ser equivocada, pois eles ainda estavam preocupados com o crescimento (4). Em abril de 2011, o professor Brand postulou ao partido de esquerda no Bundestag que „o capitalismo nunca se tornará verde“.

Num artigo no jornal „Neues Deutschland“ do próprio partido, o jornalista livre Hanno Böck pode até acusar o Partido de Esquerda de „se ver principalmente como um representante dos socialmente fracos aqui e agora“, em vez de pensar internacionalmente sobre as gerações futuras (5). A ESQUERDA deve confessar-se agora ao facto de que „o direito à vida dos seres humanos afectados (internacionalmente) mais fortemente pela mudança climática é mais importante para os seres humanos na dúvida do que o trabalho“ em casa. E um deles, Andreas Novy, queixa-se mesmo à esquerda „transform-network“ (6): „Se a questão social é geralmente percebida como central, então a ecologia fica pelo caminho“.

Mas o que estes esquerdistas ou outros activistas climáticos fanáticos do CO2 têm em mente são planos loucos. Têm uma ilusão perigosa quando acreditam que só na Alemanha se pode apertar o parafuso das emissões de CO2 para salvar o clima mundial e, consequentemente, o mundo. Isso é uma loucura. Seria inútil mesmo que o CO2 produzido pelo homem fizesse subir as temperaturas em todo o mundo.

Seria também um empreendimento inútil se o encerramento de centrais eléctricas a carvão e de sistemas de aquecimento a petróleo e a gás, a mudança para automóveis eléctricos e a instalação de inúmeras turbinas eólicas e centrais solares fossem um êxito total. Isso porque a participação da Alemanha no CO2 global produzido pelos seres humanos é de apenas 2%.

Independentemente do que acontecer na Alemanha ou na UE para salvar o clima, as futuras emissões de CO2 dependem da Índia, da Rússia, do Brasil, da África do Sul e, sobretudo, da China e dos EUA. O que todos estes países têm em comum é o facto de os seus governos sorrirem para a ciência climática do CO2 do Ocidente como um hocus-pocus.

Eles vêem o CO2, que não é um veneno, como um gás vital para as nossas plantas e árvores. Mesmo no Tratado de Paris sobre o clima, estes países não se comprometeram a limitar as suas emissões de CO2 até 2030, altura em que serão renegociados. Até lá, estes países continuarão a alimentar o seu crescimento económico com a energia mais barata e mais segura e a construir mais centrais eléctricas alimentadas a carvão todos os anos, que, evidentemente, produzem muito CO2. Os EUA, que sob o presidente Obama em Paris se comprometeram a reduzir drasticamente as emissões de CO2, já anunciaram sua retirada do Acordo de Paris sob o presidente Trump.

A China é responsável por 29% do CO2 produzido pelo homem em todo o mundo, os EUA por 16%, a Índia por 7%, a Rússia por 5%, a África do Sul por 1% e o Brasil por 1%. Se o Irão e a Arábia Saudita forem adicionados em 2% cada um, isto é, quase dois terços das emissões globais de CO2. (Fonte: Union of Concerned Scientists)(7)

Basta que a China não esteja no barco dos poupadores de CO2 e que todo o salvamento de Greta, Greens e Left seja em vão. Com suas mensagens do dia do juízo final, eles levam mais água para os moinhos dos malabaristas do financiamento climático, que não têm medo de levar grandes partes da nossa indústria e da sociedade para a lama para novas fontes de lucro.

Para os chineses, por outro lado, o que conta é o crescimento económico e a necessária segurança do aprovisionamento energético. A liderança chinesa não acorda a meio da noite e preocupa-se com o clima. No final de outubro de 2019, o governo russo também declarou que não iria introduzir um imposto de CO2, ao contrário do que o Ocidente esperava, pois ainda existem dúvidas sobre as alegadas causas causadas pelo homem na mudança climática.

Não são apenas os chineses que abanam a cabeça a ver o Western Climate Express viajar por pontes ousadas até ao desconhecido. Isto também inclui a intenção do governo alemão de encerrar todas as centrais elétricas a carvão até 2038. O que poderia acontecer aos alemães no seu caminho para o belo mundo novo sem combustíveis fósseis e com „zero emissões de CO2“ foi circulado esta semana como uma reportagem de jornal de um futuro não tão distante:

O caos da neve em toda a Alemanha, 12 de dezembro de 2030 (8)

Fortes nevões e frio atingiram toda a Alemanha. Fotovoltaicos nevados, turbinas eólicas desligadas devido a uma tempestade, centrais eléctricas alimentadas a carvão não existem e o fornecimento reduzido de gás está a enfraquecer. Motores de combustão, aquecedores de fogão, lareiras, motosserras, sopradores de neve, etc., foram proibidos há anos.

Nas auto-estradas, os veículos eléctricos foram bloqueados durante quilómetros e quilómetros, ficando sem electricidade durante a noite. Os serviços de salvamento electrificados também são afectados. Mesmo com melhores condições meteorológicas, os veículos já não podem deslocar-se sozinhos, mas têm de ser rebocados individualmente, o que nem mesmo a Bundeswehr consegue fazer face devido à falta de veículos operacionais. Escavadeiras elétricas e carregadeiras de rodas não podem mais ser conectadas à rede ou estão apenas operacionais por algumas horas. Devido à falta de procura, as refinarias não produzem gasolina nem gasóleo, que só podem ser adquiridos em pequenas quantidades em alguns pontos de distribuição de mercadorias perigosas.

Fontes:

  1. https://makroskop.eu/2019/07/in-den-fallstricken-des-klimadiskurses/?success=1
  2. https://myprivacy.persgroep.net/?siteKey=PUBX2BuuZfEPJ6vF&callbackUrl=https://www.volkskrant.nl/privacy-wall/accept?redirectUri=%252feconomie%252fvooral-laagste-inkomens-gaan-betalen-voor-duurzamer-energiebeleid%257eb6f43603%252f
  3. http://www.linksdiagonal.de/2019/05/30/tadzio-mueller-klimaschutz-auch-wenn-es-hart-wird/
  4. https://www.blaetter.de/archiv/jahrgaenge/2019/juli/in-der-wachstumsfalle
  5. https://www.neues-deutschland.de/artikel/1120755.klimaschutz-neue-zerreissprobe-in-der-linken.html
  6. https://www.transform-network.net/de/publications/jahrbuch/overview/article/yearbook-2017/the-consequences-of-climate-change-for-left-strategy-a-roundtable/
  7. https://www.ucsusa.org/sites/default/files/styles/original/public/2019-11/union-concerned-scientists-emissions-pie-chart_0.png?itok=91NOTos9
  8. http://www.pi-news.net/2019/11/schneechaos/

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar.

+++

Sugestão de imagem: Angela Rohde/ Shutterstock

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort