Olá Chanceler, lembra-se disto?

Um comentário de Rüdiger Lenz.

Juro que dedicarei as minhas forças ao bem-estar do povo alemão, aumentarei os seus benefícios, prevenirei os seus danos, defenderei e defenderei a Lei Básica e as leis da Federação, desempenharei conscienciosamente as minhas funções e administrarei justiça a todos. Assim Deus me ajude (1).

Senhora Chanceler, o que está a fazer com a Lei Básica, que é suposto proteger-nos exactamente do que está a fazer com ela?

Todos juntos (2)

Senhora Chanceler, a senhora causou danos tão tremendos neste país que a maioria das pessoas neste país considera que esta é a melhor gestão de crise a que alguma vez assistiram nas suas vidas. O senhor detonou uma bomba sócio-económica e médica antidemocrática e a maioria das pessoas só vê balões e pequenos petiscos onde a onda de choque está a disparar. Uma peça de gabinete que ficará nos livros de história desta República Federal tão abalada por si como o truque de magia mais bem sucedido e mais enganoso de todos os tempos. Um golpe de estado que começou com uma mentira. Uma pandemia de vírus semelhante à que temos vindo a contrair todos os anos desde tempos imemoriais – sem nunca termos tomado medidas, como este bloqueio de tudo o que nos torna humanos. Os nossos corpos humanos são colonizados por mais bactérias e vírus do que temos células no nosso corpo. E, se alguma vez se importaram, a cada cinco segundos uma criança morre à fome neste planeta porque os monstruosamente ricos, entre outras coisas, vos exortam a nada fazer. A indústria alimentar, a agricultura e, sobretudo, a indústria química também causam mais mortes num ano do que todas as guerras de um ano juntas. Além disso, há mais pessoas a cometer suicídio num ano do que todos os soldados que se matam uns aos outros e partes da população civil num ano. E agora vem o COVID-19, um coronavírus, que tem uma eficiência de morte de 0,3 a 0,4% e que se sobrepõe à Lei Básica de tal forma que nos encontramos numa ditadura governamental (não numa ditadura estatal, ainda não!). Senhora Chanceler, que faça tudo isto por causa de um vírus tão inofensivo para nos proteger, os outros 99,6%, pode dizer isso a alguém que lhe prende as calças com uma tenaz. Nunca pensei que houvesse tantos, admito. Estamos numa experiência comportamental que vai funcionar melhor do que alguma vez imaginou. Estamos maduros para uma nova ideia totalitária. E penso que sei qual deles já decidiu. Mas mais sobre isso, mais tarde.

O túmulo de Robert Koch e as unidades de cuidados intensivos sobrelotadas

Os factos e os números mostram exactamente o oposto do que os relatores do vosso Tribunal relatam os injustos publicamente. Euromomo.eu mostra, por exemplo, que o seu vírus assassino da morte COVID-19 tem vindo a diminuir desde há muito tempo em praticamente todos os países europeus, incluindo a Alemanha. Mas o senhor e o Instituto Robert Koch previram um novo aumento possível do número de casos para Junho de 2020. Isso é óptimo! Se eu fosse a si, montaria um microfone muito fino sobre a cama de túmulo de Robert Koch. Vai ouvir barulhos e reparar que ele está a virar na cova a alta velocidade, quase como um berbequim eléctrico, tão rápido. Depois haverá os hospitais totalmente sobrelotados na Alemanha, cujas unidades de cuidados intensivos estão completamente sobretaxadas. Mas se olhar para a associação alemã interdisciplinar de medicina intensiva e de emergência Divi.de (3), pode rapidamente desmascarar o truque de magia com que o senhor, caro Chanceler, nos quer tão maravilhosamente enganar, então as suas mandíbulas vão cair claramente se a vertigem que orquestrou, juntamente com todos os principais meios de comunicação social, para os seus cordeiros. A maioria das camas de cuidados intensivos na Alemanha está vazia. Isto não é especulação nem teoria da conspiração. São factos. Foi precisamente por causa destes factos que o seu colega da Die Linke, o Primeiro-Ministro Bodo Ramelow, na Turíngia, conseguiu fornecer camas de cuidados intensivos aos nossos amigos italianos.

Por favor, nada de autópsias, ou afinal de contas, agora?

Depois, o próximo golpe, Senhora Chanceler, que me chegou hoje de um médico. Ouvindo-o, é como com o Dr. Wolfgang Wodarg. Podemos sentir a sua honestidade, que o senhor Chanceler não tem. Aí o Dr. Schiffman lê uma carta que lhe foi enviada por um professor, na qual explica que as pessoas que morreram na ou com a Corona, que, se possível, não deveriam ser autopsiadas nelas. Seria normal, no caso de uma nova pandemia de vírus, que tudo o que fosse humanamente possível tivesse de ser feito para obter garantias para a saúde humana e que cada indivíduo tivesse de ser autopsiado, sim, para obter uma quantidade de dados e, portanto, declarações fiáveis e para poder fornecer antídotos. Mas sobretudo porque queremos ter a certeza absoluta daquilo de que o doente realmente morreu. A isto se chama trabalho científico, Senhora Chanceler. Mas desta vez não se faz isso, ou talvez seja melhor não o fazer de todo. Mas agora um patologista de Hamburgo não se importava com isso. Ele não aceitou o dela e os RKI, graças a Deus, gostaria de dizer que não aceitou. Fez uma autópsia e, desde então, esta chegou aos meios de comunicação social públicos, por exemplo, no programa Markus Lanz, em 9 de Abril de 2020, sobre a ZDF (4 e 4b). E rapidamente se verificou que o número de pessoas infectadas, que morreram com a COVID-19, estava correcto, mas não correspondia ao número de pessoas que morreram com o vírus. Já reparou na diferença entre as palavras “ligado” e “com”? O Instituto Robert Koch, o governo e, por conseguinte, também os meios de comunicação social habituais manipularam as estatísticas aqui a favor do excesso de mortalidade, o que, desde o início, não concordou com as estatísticas oficiais. Senhora Chanceler, que doutrina queria trazer-nos com isto? A doutrina da vacinação obrigatória da indústria farmacêutica correspondente, que quer produzir o soro de vacinação em pouco tempo? Senhora Chanceler, é esplêndido que a COVID-19 esteja agora incluída apenas nas estatísticas de mortalidade pandémica, tal como se o doente tivesse morrido de COVID-19. Conhece a diferença entre os significados das palavras com e sobre? Os vossos seguidores, irei ter com eles mais tarde, ainda não são capazes de distinguir tão bem as duas palavras.

E, uma e outra vez, estes cenários de ensaio

Chanceler. Recebi um e-mail de 26 de Março sobre a minha dose diária de KenFM publicado em 25 de Março (5), no qual um briefing do Governo Federal, ou seja, de V. Exa., para o Bundestag alemão, registou um cenário que se aplica quase exactamente ao que temos vindo a viver em toda a Europa desde Março de 2020: Relatório sobre a Análise de Risco na Protecção Civil 2012 (6). Aí, uma pandemia fictícia causada pelo vírus “Modi-SARS” passa e explica-se exactamente o que tem de ser feito, a nível nacional. O relatório afirma: “A partir de 10.12.2012. Por outras palavras, há pouco mais de sete anos, foi possível preparar o que era, afinal, de Dezembro de 2019 a Fevereiro de 2020, todos os membros do Governo Federal anunciaram na imprensa como “Temos tudo sob controlo sobre o que aconteceu em Wuhan! Nada nos vai acontecer! Caros cidadãos, continuem a fazer o que têm vindo a fazer!

Tais slogans vieram de si pessoalmente, Senhora Chanceler, e do seu Ministro da Saúde. Fui aconselhado sobre esta análise de risco por um médico sénior de uma clínica que está plenamente consciente de que toda a pandemia da COVID 19 é um pânico completamente exagerado para a população. Muitos médicos na Alemanha pensam assim e vêem através do que está a tentar fazer com a sua insistência no vírus da morte. Trazem toda a sociedade em permanente medo e pânico. O medo é um meio muito importante da política para preparar grandes massas para algo que nunca fariam sem esse medo ou para algo que nunca decidiriam livremente sem o enorme medo. O grande medo funciona como um grande bloqueador, que está então pronto para reconhecer pequenos elementos de liberdade como a grande liberdade. Porque o medo permanente é reestruturado pelo nosso cérebro numa solução da situação, vaporizado com a máxima prioridade no comportamento libertado para o mesmo e convertido numa estratégia de solução. Por outras palavras, Senhora Chanceler, o vírus da morte é apenas um cavalo de Tróia para soluções bastante diferentes para os problemas, que a senhora está a tentar tornar palatáveis para nós, porque sabe muito bem que o homem faminto comerá tudo o que lhe for oferecido?

Estão a tentar salvar o sistema, canalizá-lo para onde está a salvação do sistema através da nossa vontade de libertar o medo, através da prisão, da qual as grandes massas participam voluntariamente porque acreditam que o diabo anda atrás deles e querem esquartejá-los? Vai apresentar-nos em breve a solução sob a forma de outro Estado? Não é exactamente isso que estás a ajudar a encenar? E de que é que um governo deste tipo precisa para formar o alargamento de uma tal desordem de medo? Isso mesmo, Senhora Chanceler, é preciso multiplicadores, por assim dizer, guardas de bloco, que endurecem a rigidez do medo das massas. E isso não é a polícia, não! São voluntários que denunciam ou incriminam o maior número possível de pessoas, que levam o seu antídoto para este decreto do medo, a que se chama liberdade. Não é o toque de recolher que é o objectivo da inibição do vírus. É o que pensam as massas simples, vendo constantemente a televisão. O recolher obrigatório endurece e aumenta o potencial de medo das pessoas e isso é necessário para salvar o sistema e para fazer com que as massas acreditem que o queriam assim, porque as coisas não podem continuar como estão agora. Porque não? E assim toda a população já está a ser obscurecida pelos vossos relatores de tribunal com um “quadro alterado – tudo-e-como-foi-e-nunca será restaurado”, para que as pessoas concordem com o vosso plano, porque, não pode ser o que não é permitido ser.

No entanto, se uma sociedade não quer ir para onde os governos estatais querem que o seu povo vá, então o senhor exerce uma enorme pressão sobre o carácter involuntário dos indivíduos. E como faz isso, Chanceler? Pois bem, com uma pressão de conformidade, da qual o animal do rebanho dos Sapiens não pode escapar na sua grande massa. Chanceler, em quantos campos de batalha, uh, locais podem as Forças Armadas alemãs matar? E quantas pessoas foram mortas graças ao seu Bundeswehr durante o seu mandato? Suponho que, em dez anos (não com) a COVID-19, houve muito mais do que aquilo que nem sequer morreria neste país. Poder-se-ia vacinar ali deixando voluntariamente o projecto mais mortífero de sempre. E é suposto eu acreditar que se importa com quem morre de tudo? Não acreditaria em si se me desejasse um bom dia. Eu veria se era de noite. Eu não acredito no seu novo humanismo, e noto que muitas pessoas também não acreditam.

Se for esse o caso, Senhora Chanceler, se os jornalistas independentes alguma vez conseguirem descobrir e provar tudo isto, então será acusada de alta traição. Está ciente disso, ou pensa que o novo sistema está de qualquer forma em vigor, e ninguém o pode acusar no novo sistema, porque as velhas leis deixarão de se aplicar. Se não está enganado, Senhora Chanceler. Mas agora vamos falar dos seus ajudantes voluntários.

De cabides e garçons de bloco

Passemos agora à sua obra, Senhora Chanceler, aos seus seguidores, coloquialmente também chamados fãs ou seguidores, mas também agentes de execução. São todos aqueles que agora, irónica e firmemente, defendem a teoria da Organização Mundial de Saúde (OMS), a sua, a do Professor Drosten e a do seu Ministro da Saúde Spahn, e que estão a trabalhar para garantir que ninguém possa escapar às instruções. Alguns deles estão também a praticar como guardas de bloco de uma a três estrelas na sua qualificação de valores. O senhor deu-lhes o pânico, um elevado grau de medo. Quem agora não está necessariamente de acordo com as suas instruções, está a ser levado como conspirador, como parte de uma cadeia de infecção de direita (7), mais recentemente também como um terrorista idealista (7b), ou como um operador de frente transversal.

Uma é fiel à linha, destemida, ouve o que vem de cima, aceita cada ordem como boa e inteligentemente pensada, mostra a outra, se necessário, imediatamente à polícia se se permite fazer o que agora é considerado ilegal, não questiona nada, vê a televisão quase todas as horas, faz zapping por todos os canais, só para finalmente sentir um pouco de si mesmo novamente com profundo medo. Depois disso, o indivíduo pode ficar viciado, tão fortes são os elementos e cocktails que são estimulados no cérebro, depois no sangue em Sturm und Drang, lutando pelo desenvolvimento. Hoje em dia, todos os seguidores são quase um líder de bloco. Qualquer outra opinião, por muito desconhecida e inexplorada que seja para si própria, é um vírus do pensamento, um bacilo de tuberculose (7c), que deve ser abatido com uma severidade decisiva. Pois assim se sente novamente o bem e a lealdade para com as autoridades como uma sensação agradável e relaxante. A obediência ao bem, ao normopata adaptado, suprime o sentimento de vaguear na própria casa de uma forma que não é determinada pelos outros e dá sentimentos positivos, uma vez que a própria conformidade é construída como importante e socialmente correcta. E em troca o seguidor faz agora tudo o que lhe foi oferecido como uma boa acção, mesmo muitas vezes ordenado. Relata cada quebrador de regras, dizem eles novamente, é suficiente para o jornalista que se sente feliz na proximidade pegajosa, quando um professor tira os óculos, quando Seliger apresenta um fato escuro com uma camisa escura, para poder falar com mais força. Uma coisa assim não funciona de todo, então toda a carta que é lida é um ataque a toda a razão de esquerda – não importa se este professor diz a coisa certa ou não, já não funciona de todo, pfui Teufel, que fop arrogante. É declarado leigo, embora tenha a mais alta reputação, porque as pessoas gozam com ele e não sabem o que é a cultura tailandesa. Porque o professor é influenciado pela cultura tailandesa. Um racista cultural, este jornalista? Eu! Ele deve estar localizado à esquerda, como pode ser um racista cultural? Os seguidores também podem ser jovens e ingénuos, sim, sim, podem, mas escorregaram para a direita? Não, isso nunca funcionará a priori com esses pensadores que conseguem pensar tudo bem.

Durante 75 anos houve paz suficiente no espírito alemão, mas agora, finalmente, a banalidade do mal (7) voltou a satisfazer o interesse público, a identificação dos desprovidos de identidade. E têm estado preparados de forma intensiva e diferente para o que está a acontecer hoje há vinte anos. Especialmente na área da “geração cabeça para baixo”. Esta geração cresceu sem ter desenvolvido uma firewall no seu cérebro. Os guardas e seguidores do bloco têm a certeza de se fazerem ouvir assim que alguém tosse livremente, passa despercebido ou vê alguém que não está a usar uma máscara facial solidária. Se eu fosse um super-rico diabólico, chanceler, pensaria como o rei inglês no filme Braveheart, que disse ao seu filho: “Qualquer um que até olhe para si sente-se instantaneamente obrigado a tomar conta de todo o reino inglês”. Isso poderia ser verdade no caso da “Generation Head Down”. Oportunidade faz ladrões e alta traição. Livre-arbítrio, finalmente, para ser preso de novo! Um dever de desobediência – isto exige a todos os seguidores que entram em cena que se oponham àqueles que pensam livremente e querem, por princípio, ser livres.

A resposta à propaganda é uma vacinação através do esclarecimento e da consciência do que foi forçado no nosso cérebro pelos actuais sistemas educativos. A resposta a isto é uma libertação de todas estas medidas que nos condicionaram a sermos receptores de comando para uma consciência que se torna e continua a ser capaz de separar os resíduos espirituais especiais que nos podem infectar como um vírus, controlando-nos depois externamente e deixando-nos na crença de que estamos a fazer tudo como seres auto-determinados que decidiram tudo livremente. Hannah Arendt escreveu verdadeiras obras-primas para isto. Estes não têm qualquer utilidade se o conhecimento sobre eles não estiver disponível numa geração. Claro que há excepções, mas estas apenas confirmam a regra de que nunca antes um poder teve tanta facilidade como hoje em dia para atacar e tirar tudo o que foi ganho com sangue e vida por gerações corajosas. Democracia, liberdade e o direito de dizer o que se pensa em público não são presentes dos políticos e dos poderosos. São expressões de vontade e devem ser vigiadas com eterna vigilância pela sociedade.

Experiências na Indústria Farmacêutica

Para estes seguidores existe mesmo um compressor instalado, que os seguidores ainda não iniciaram. Será activada quando o hipnotismo provocado pela pandemia e o pânico tiver chegado às profundezas da selva das suas próprias vidas através de quedas financeiras, económicas e de desemprego. Depois o pânico transforma-se naquilo a que eu chamo agressividade negativa (8), como nunca tínhamos experimentado antes na Alemanha. A Chanceler Merkel receberá então outro prémio por toda a sua sensacional boa gestão de crises, e o seu Ministro da Saúde, Spahn, receberá possivelmente o título de candidata a chanceler pela Assembleia Federal da CDU, de forma jubilosa. Então finalmente chegou o momento! Depois, cada cidadão alemão será objecto de experiências por parte da indústria farmacêutica, futuros planos da OMS, verificados pelos médicos que se dedicaram ao lucro imundo e não a manter os seus pacientes saudáveis. Uma era de ouro para todas as super indústrias proprietárias das reservas alimentares e farmacêuticas. Estes são frequentemente os mesmos accionistas, tal como na indústria dos meios de comunicação social em relação com a engenharia mecânica, também conhecida como indústria militar. E depois, finalmente, acabou: Quem decide o que você come, quem decide o que pode faltar ao seu corpo e à sua mente. E aquele que determina que, por sua vez, determina a medicação de quase todos aqueles cujas forças vitais estão a diminuir devido à falta de substâncias vitais. Vocês mantêm-nos estúpidos, eu mantenho-os pobres, e depois a questão alarga-se a isto: vocês mantêm-nos sedados, eu mantenho-os a obedecer e retardo a sua morte muito para além disso. É assim que ganhamos o nosso sustento, estúpidos e burros. A maioria dos ignorantes, dos bloqueadores e dos cabides – aplaudem os seus mestres açougueiros.

O socialismo como estratégia de sobrevivência da nobreza financeira

Agora só falta uma estratégia para fazer com que as massas assoladas pelo medo numa democracia não se apercebam de que estão a ser condicionadas de forma suave em algo completamente diferente. E que ideia brilhante é que o senhor, caro Chanceler, ainda tem na sua rede de ideias para o futuro? Então? Exactamente!

Ninguém tem a intenção de instalar o socialismo, muito menos a senhora Chanceler, portanto: vive la sociale – viva el socialismo.

Esta é a matriz do vosso subconsciente, o vosso condutor interior, cuja sinfonia do destino há muito foi executada como pontuação no terceiro movimento, o Panic Scherzo, pelos membros de terceira categoria do Governo de Berlim e pelos suplentes no banco de suplentes no canto verde-esquerdo da sala de ensaios, também conhecido como o Reichstag. Porque só sob o socialismo se pode sobreviver a tudo aquilo que, graças a vós, está agora subjacente ao nosso futuro em termos de eficácia e eficiência. Se uma democracia pode sobreviver à destruição a tal escala que o senhor iniciou com a pandemia da COVID 19 é altamente questionável.

A única vassoura que sobreviverá incólume a tudo isto é a vassoura do socialismo, mesmo que as massas espantadas no início, de alguma forma, a queiram ver como completamente insana. Faz com que todos os problemas, especialmente os da economia financeira e laboral, pareçam ter sido varridos como que por magia. Talvez então todos fiquem satisfeitos com um rendimento básico incondicional e depois pensem no super-democrata que é o grande chanceler! Os danos sócio-psicológicos também podem ser rapidamente transformados num sistema de guarda-bloco preparado a nível nacional (correctiv, Fundação António Amadeu, falsa detenção noticiosa, conspiração, absolutização legal e AfD de todos os dissidentes, etc.), ou seja, um verdadeiro sistema Stasi 2.0. Também aqui, a massa amaciada vai pensar o verdadeiro super chanceler Dr. Merkel! As massas de espírito simples foram treinadas nisto desde o 11 de Setembro e agora sabem muito melhor como manter os espíritos livres demasiado iluminados açaimados e como fascistas socialmente ostracizados completamente afastados do discurso social. As massas maçadoras estão agora casadas com o seu tormento, o governo, tal como acontece com as mulheres que são assediadas há anos, que casam com os seus violadores e as protegem com tudo se um tribunal as acusar dos seus actos brutais. Tudo isto é conhecido e é chamado de síndrome de Estocolmo. Mas eu prefiro não afundar demasiado e assustar os cavalos. Todos nós, em breve, poderemos experimentar isto por nós próprios através da vossa bondade e sabedoria; não quero com isto dizer que iremos experimentar tudo isto directamente depois de a pandemia ter sido resolvida. Não é isso que quero dizer. A pedra-chave ainda não foi estabelecida, não com esta falsa pandemia.

Todo este século está dedicado à transformação para um sistema estável em termos de concorrência, que se manterá firme contra a superioridade da China e não cederá. Em todo o caso, uma democracia é demasiado lenta, demasiado letárgica e custa milhares de milhões de dólares desnecessariamente para renovar constantemente o seu leito de copa. Fora com isso! Os soldados são peões no xadrez mundial e os seus seguidores são o bajulador do seu próprio medo. Os seguidores são aqueles que têm de se ver a si próprios como salvos por si. Porque na sua falta de liberdade entendem a sua segurança como garantia de sobrevivência e processam tudo isto como o seu plano de sobrevivência individual, no qual lhe estão todos infinitamente gratos, Senhora Chanceler, porque continua a garantir e tem permitido a sua sobrevivência.

Neste sentido, Senhora Chanceler, o que em tempos foi aconselhado contra si e o seu partido tornou-se realidade para si: Existe apenas uma opinião legítima. E isto é o da ciência. O que Greta, Rezo e MaiLap não conseguiram, só as ciências podem fazer, porque só elas são o trono da verdade, você, chanceler, pode fazê-lo. Só que não é a opinião da ciência, mas daqueles que cheiram o grande dinheiro por meio de teses científicas. Senhora Chanceler, o que aconteceu realmente às alterações climáticas? Será que desapareceu? O medo das alterações climáticas dá lugar ao medo e ao pânico sobre a Corona. Vejamos o que é que a seguir conduz o medo das massas, que tipo de medo e de pânico se permite que a porca atravesse este país e a Europa. O que foi a discussão sobre as emissões antropogénicas de CO2 no debate sobre a culpa pelas alterações climáticas é o excesso de estatísticas de mortalidade no debate sobre o vírus assassino da COVID-19. Quem levar esta estatística falsa ao povo e deixar o povo proclamar a regra total, a questão fica resolvida. Para que a causa da morte não seja uma morte na ou com a Corona, mas não importa do que uma pessoa morreu. Assim que um vírus corona é detectado no falecido através de um teste questionável, a pessoa morre desse vírus e é incluída nas estatísticas como uma pessoa morta corona.

Isto tem o sabor residual de que apenas uma coisa está a ser medida pelos círculos governamentais e pelo Instituto Robert Koch: o maior número possível de mortes de coroas. Por conseguinte, os dados são mal utilizados, deliberadamente mal interpretados, a fim de se conseguir algo mais com eles. Um vírus da morte tem de ser conduzido para o cérebro das massas, que depois, como um vírus do pensamento, o cavalo de Tróia, ou seja, aquilo que está realmente a ser tocado como a solução para tudo isto com toda a falsa indústria do pânico pandémico pela porta do cavalo de Tróia. E depois, como efeito secundário, há a vacinação obrigatória. Se possível todos os anos e o maior número possível de vacinações por paciente.

É assim que é quando o crescimento económico infinito é colocado como um axioma numa esfera finita e ninguém está autorizado a questioná-lo. Se alguém o faz, então está excluído. E, para que este fascismo governamental desajeitado não chame a atenção, há um entretenimento contínuo e gratuito, através das taxas obrigatórias da GEZ. Já o mencionei? Os fãs de filmes de terror e de thriller, cujo número é enorme, adoram quando chega o pânico e se lhes permite sentir-se a si próprios, com medo constante. Essa é a única razão pela qual esses filmes existem em massa. Porque, na realidade, muitas pessoas cagariam nas calças durante o processo.

As vítimas da pandemia desconhecem as suas consequências.

A idade média de morte (idade média) para a COVID-19 varia de 80,5 anos a 83,5 anos, dependendo do país, com uma média de 82 anos (9). A esperança média de vida na Alemanha é de 80,64 anos (10). Em Itália, até 17 de Março de 2020, morreram cinco pessoas em ou com corona entre os 31 e 39 anos de idade. 10% dos falecidos tinham mais de 90 anos de idade e quase 85% tinham mais de 70 anos de idade. Os menores de 30 anos não pertencem de forma alguma ao grupo de risco do vírus pandémico COVID-19, mas gritam com mais frequência na Internet nos respectivos grupos de discussão e nos vários e numerosos canais do YouTube, porque as instituições mediáticas dos injustos públicos estão constantemente a usar o medo e o pânico para os manter sob constante info-vácuo.

Estão completamente errados e unilateralmente aterrorizados. Também se poderia tirar o medo dos mais novos, uma e outra vez, a todo o pânico das estações de televisão, explicando-lhes como são as estatísticas de morte e que a sua faixa etária faz uma parte cada vez mais pequena da gravidade da doença. Mas isto é deliberadamente reprimido. É suposto entrarem em pânico, para se tornarem seguidores de uma agenda que, neste momento, ninguém vê realmente concluída. Desta forma, o grupo etário mais susceptível à propaganda é abusivamente utilizado. Mas este abuso nem sequer é notado pelas vítimas de abusos. Como, também, quando na maioria dos casos o cérebro daqueles que são abusados forma a partir dele uma estratégia de sobrevivência, transformando outros em objectos e, assim, também em ecrãs de projecção da sua incapacidade de transformar a frustração e o medo em energias positivas. Os actores deste pânico sabem-no muito bem. Porque o medo e o pânico são direccionados para aqueles que vêem através do jogo. Dividir e conquistar.

A energia nunca é distribuída ou destruída

Tudo o que as pessoas caíram no abismo da história começou desta forma. Cada grande ideia começa com o seu mais pequeno passo. Uma vez que um ser humano se encontrava nessa mesma encruzilhada, ele fez o que lhe foi dito. Mas desta vez é diferente, pois quase todos os povos não querem uma nova ditadura ou totalidade, através da qual terão de perder as suas liberdades e tornar-se escravos ainda mais próximos da preservação do sistema para poderem sobreviver. Se perdermos agora a nossa liberdade, ela não será certamente restaurada por si só neste século. Os meios técnicos são simplesmente demasiado gigantescos para que os movimentos os ultrapassem. E o poder que os seus construtores adquiriram é demasiado tentador para que o devolvam voluntariamente ou o destruam voluntariamente. A história mostra que 99 por cento da energia é aumentada, mas não reduzida, destruída ou distribuída a todos. Por outras palavras, o que começou como estratégia de luta de classes em 1867 com o primeiro volume de Karl Marx sobre o capital é ganho pelos Soros, os Buffets e os Portões deste século. E isto com a ajuda daqueles que anseiam por nada mais santo do que ter de vencer eles próprios a luta de classes, os marxistas, esquerdistas, socialistas e comunistas. A luta de classes foi completamente desordenada, mas a presidente, a Dra. Angela Merkel, tem um coração para o socialismo. Mas talvez o final deste artigo lhe aqueça o coração, afinal de contas. É uma canção de Georg Danzer, Die Freiheit. Ouve com muita atenção o que ele nos tentou dizer (11).

Reparou em alguma coisa? São sempre as mesmas emissoras, sempre a mesma imprensa escrita, sempre os mesmos especialistas, sempre as mesmas “fundações caritativas”, sempre as mesmas celebridades com atitude, sempre os mesmos autores da Wikipedia. O estabelecimento geopolítico e transatlântico há muito que fechou redes e construiu estruturas que produzem efeito sempre que alguém se afasta do seu rumo. Supostamente são todos dos bons da fita e mostram atitude. Na realidade, são darwinistas gelados e fascistas que só estão interessados em conservar o poder, o dinheiro e os privilégios pessoais. E não é só porque “nós” discordamos deles. Eles sabem que nós queremos destruir “o seu sistema” e é por isso que têm medo. É o medo nú deles.

Ponto de ordem.

Neste texto, estabeleci a minha tese sobre o sentido desta pandemia da coroa, que espalhei para um plano encoberto de preparação de uma agenda estatal para o socialismo na Alemanha, provavelmente de todos os Estados que estão ligados ao dólar americano como sua moeda principal. Ficaria muito contente se a minha tese se revelasse um completo disparate, mas agora acredito, tal como no ano passado, que muitos Estados e confederações de Estados democráticos se aproximarão do socialismo para não caírem num segundo lugar a longo prazo. A China está a transformar o nosso modelo competitivo num modelo que funciona como uma economia em tempo de crise. A democracia está a abrandar o ritmo em direcção ao modelo da China e creio que os nossos políticos são simplesmente demasiado estúpidos e continuam presos à velha maneira de pensar, no pensamento do pós-guerra, para simplesmente conceberem um modelo completamente novo e depois confiarem nele juntos. As razões para isso, não posso explicar aqui mais pormenorizadamente e com mais pormenor, porque elas formariam a forma de livro. Se assim for, estamos hoje perante um golpe de Estado em que não só o Chanceler, mas todo o Governo desta república cometeria traição.

Agora, se quiserem, podem acusar-me de não escrever uma tal conjectura e certamente de não a publicar. Àqueles que defendem este ponto de vista, pergunto se também aprenderam isto como uma lição do Reich nazi, que basta exprimir as suas reservas quando a prova, ou seja, o regime, se mostra como tal. Pois bem, nessa altura já será demasiado tarde, porque nessa altura a traição terá encerrado o saco e não conseguiremos sair todos do saco. Em tempos como estes, o jornalismo não tem de fornecer a prova, porque também não o poderia ter feito com Hitler.

Nós, aqui na Alemanha, temos uma relação diferente com essas condições, com o dever de nunca mais fazer também de nunca mais fazer um nunca mais. Esperar e beber chá e depois esperar por provas fundamentais ajudou a transformar a Europa num cemitério durante a Segunda Guerra Mundial. Afinal, o governo levantou a proibição de reunião e tornou-a uma infracção punível, devido a um vírus do qual é mais provável que venha a morrer um número impressionante de 0,1 a 0,4 por cento (12). Um vírus da morte parece diferente. Isto é altamente pouco científico e todos nós temos o dever de resistir quando a ordem da Lei Básica é levantada. Mesmo o jornalismo preventivo!

E aqui não temos de enfrentar os factos apenas quando a saída está completamente bloqueada e os factos irreversíveis nos dão um novo mundo. As pessoas têm, finalmente, de parar que outros nos digam como viver. Estamos a ser enganados, enganados, enganados e até autorizados a enviar os nossos filhos para as suas guerras. Não atendas mais esta merda. Não obedeça ou siga autoridade. Sigam a vossa vida, vivam a vossa vida, vivam a vossa vida e não se deixem acorrentar, nem o vosso corpo nem a vossa mente, e muito menos isso.

Fontes:

(1) https://www.youtube.com/watch?v=ygDoiJICtj0

(2) https://kenfm.de/tagesdosis-11-3-2020-ich-sag-euch-der-faschismus-kommt-wieder/

(3) https://www.divi.de/register/intensivregister

(4) https://www.zdf.de/gesellschaft/markus-lanz/markus-lanz-vom-9-april-2020-100.html

(4b) https://www.youtube.com/watch?v=NnjqVMQH4GI&t=1s

(5) https://kenfm.de/das-schlimmste-virus-der-sapiens/

(6) https://dipbt.bundestag.de/dip21/btd/17/120/1712051.pdf

(7) https://taz.de/Corona-Verschwoererinnen-demonstrieren/!5677960/

(7b) https://www.youtube.com/watch?v=Vrk03SipXhI

(7c) https://www.youtube.com/watch?v=GYZKsUNijQE

(7d) https://www.youtube.com/watch?v=d7AnpetmA0c

(8) https://www.booklooker.de/Bücher/Angebote/titel=Die+Fratze+der+gewalt

(9) https://www.rubikon.news/artikel/totaler-krieg-gegen-das-virus

(10)https://www.google.de/search?sxsrf=ALeKk01WUJn99WdN6owvtPkghfr_vZpq4A%3A1585951211297&source=hp&ei=67GHXvj8D-Kqggelq5aIAw&q=durchschnittliche+Lebenserwartung+deutschland&oq=durchschnittliche+Lebenserwartung+deutschland&gs_lcp=CgZwc3ktYWIQAzIFCAAQgwEyAggAMgIIADICCAAyAggAMgIIADICCAAyAggAMgIIADICCAA6BAgjECdKNQgXEjEwZzE1MGcxNDdnMTQ5ZzE0M2cxNDBnMTQ2ZzE0NGcxNDJnMTc1ZzE1MGcxNDFnMTQzSh4IGBIaMGcxZzFnMWcxZzFnMWcxZzFnMWc1ZzVnMjZQ7gpY0mdgzWloAXAAeACAAa0BiAH9MZIBBDAuNDWYAQCgAQGqAQdnd3Mtd2l6&sclient=psy-ab&ved=0ahUKEwi4ntDUoM3oAhVileAKHaWVBTEQ4dUDCAw&uact=5

(11) https://www.youtube.com/watch?v=159PK6yVvbo

(12) https://www.youtube.com/watch?v=BxkmQnaXDeY

+++

Obrigado ao autor por ter publicado o artigo.

+++

Fonte da imagem: Halawi / portadas

+++

A KenFM esforça-se por obter um amplo espectro de opiniões. Os artigos de opinião e as contribuições dos convidados não têm de reflectir os pontos de vista dos redactores.

+++

Apoie agora o KenFM: https://www.patreon.com/KenFMde

+++

Gosta do nosso programa? Informações sobre outras possibilidades de apoio aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora também nos pode apoiar com as Bitcoins.

BitCoin endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort