Queda do Muro de Berlim 9 de Novembro de 1989 – Olhando para trás

Um comentário de Hermann Ploppa.

Quando cheguei a casa a 9 de Novembro de 1989, meia hora antes da meia-noite, de uma noite de convívio no meu pub habitual, liguei novamente o rádio, um rádio de Hesse, apenas para me deixar polvilhar com os sons de Phil Collins antes de ir para a cama. Mas houve uma transmissão em directo: „Ainda não acredito! A parede está aberta, e nós dirigimos aqui com o nosso Trabi sobre o Kurfürstendamm! Desculpe? Uma piada como a guerra dos mundos de Orson Welles? Nunca teria acreditado no Hessischer Rundfunk. A comparação com outras estações de rádio trouxe os mesmos sons originais por toda a parte: felizes berlinenses do leste dirigindo pelo centro de Berlim Ocidental. Uma sensação, de facto. Todos esperávamos que o Muro ainda existisse quando morrêssemos.

Mas tenho de dizer claramente: mesmo assim não confiava muito na paz. Como poderia a enferma RDA sobreviver a uma fronteira aberta ao seu bem alimentado irmão alemão? Esta desigualdade foi, mais tarde, quase que fisionomicamente apreendida sob a forma das enormes massas de carne do Chanceler Kohl e da magreza terrier do chefe do governo da RDA, Lothar de Maiziere, que parecia caber pelo menos duas vezes na barriga de Kohl. Isso não pode correr bem.

E a queda do Muro de Berlim foi considerada um descuido. Diz-se que o funcionário do SED, Günter Schabowski, desconhecia a pergunta de um jornalista e teria então interpretado uma ordem de cima para baixo, de modo a que as fronteiras fossem imediatamente abertas. Era irrelevante, porque na manhã seguinte, de acordo com as instruções do Politburo, os cidadãos da RDA deveriam poder deixar o país livremente. Isto dizia respeito aos emigrantes da RDA que deviam apresentar um visto. E agora as massas invadiram a polícia de fronteira completamente chocada, e a emigração transformou-se numa viagem turística a Berlim Ocidental.

Bem, é claro que isto é mais uma vez um lindo conto de fadas de mil e uma noites de sono. Na verdade, a liderança da União Soviética protecionista DDR tinha vendido o Estado alemão dos trabalhadores e camponeses ao Ocidente há muito tempo. Os soviéticos simplesmente não tinham outra escolha. Para a URSS já estava falida no início dos anos 80. O governo dos EUA sob Ronald Reagan acelerou impiedosamente o declínio estrutural da União Soviética. Por um lado, após a queda de Khrushchev em 1964, a União Soviética tinha regressado de uma nação industrial desenvolvida para um fornecedor de matérias-primas e era agora, como um país do terceiro mundo, quase cem por cento dependente das receitas de exportação das suas matérias-primas fósseis petróleo e gás natural. Esse país pode facilmente ser levado à ruína pela descida forçada dos preços das matérias-primas. E isso é exatamente o que o inteligente chefe da CIA e mentor do presidente dos EUA, Ronald Reagan, William Casey (1), fez. Viajou através dos países exportadores de petróleo do Oriente e persuadiu os príncipes da Arábia Saudita a despejar o seu petróleo no mercado mundial durante muito tempo a preços absolutos de dumping. A União Soviética teve de baixar o preço do petróleo para uma autodestruição absoluta.

Além disso, houve a nova espiral de armas que colocou unilateralmente os Estados Unidos no seu caminho e à qual os soviéticos já não podiam responder. Em 1985, Gorbachev juntou-se finalmente ao governo da União Soviética como um homem que podia compreender a situação de forma realista. Gorbachev não agiu de forma diferente agora do que um administrador de insolvência na economia livre: ele tentou encolher sua empresa União Soviética saudável e salvar com a parte reorganizável da fuselagem o que ainda poderia ser salvo. Os Estados satélites do Pacto de Varsóvia há muito que apenas recebiam apoio financeiro e material da União Soviética. Gorbachev agora libertou estes estados para a sua liberdade. Menos corajoso: ele disse-lhes agora, veja como você vai se sair sozinho no futuro! Encontre novos patrocinadores no Ocidente! De nós, não recebes mais nada.

A RDA já tinha sofrido isso dolorosamente no início dos anos 80, mesmo sem Gorbachev, quando os soviéticos já não lhes forneciam petróleo bruto. A economia da RDA teve de extrair cada vez mais petróleo da lenhite doméstica com a ajuda do processo de hidrogenação do carvão, que foi desenvolvido na década de 1920 e não tem sido mais desenvolvido desde então. Uma nova onda de poluição ambiental e de consumo começou.

A retirada soviética do amor atingiu duramente os comunistas da Alemanha Oriental, numa altura em que os problemas internos eram apenas suficientemente corrosivos. Os cidadãos da RDA foram informados em todos os momentos de que estavam a ser tratados apenas de forma inferior aos alemães ocidentais. Durante as férias no Mar Negro, os empregados de mesa búlgaros ou romenos reorientaram os alemães ocidentais bem alimentados, que pagaram em „Valuta“, ou seja, no duro D-Mark, enquanto o Ostmark não era muito procurado. Assim, os Alemães Orientais também foram duramente despachados aqui na fraternidade socialista. Mas mesmo na própria RDA, a subordinação da sua própria população ao Ocidente era palpável. O que quase ninguém sabe até hoje: a RDA não produziu, de modo algum, sucata metálica e forneceu produtos de alta qualidade, tecnicamente maduros e sofisticados (2). No entanto, quase ninguém na RDA conseguiu vê-los, quanto mais agarrá-los. Eletrodomésticos, têxteis e móveis da produção socialista foram imediatamente para o Ocidente. As grandes empresas de venda por correspondência, como a Quelle e a Neckermann, ou as lojas de mobiliário, como a IKEA, forneciam produtos de qualidade provenientes do Leste.

Os sapatos de salamandra eram produzidos não só em Kornwestheim, mas também na RDA. Desta forma, os cidadãos alemães, mesmo das classes sociais mais baixas, podiam comprar bens de elevada procura, o que de outro modo não teria sido possível sem o seu próprio saco de salários sem dumping das entregas da RDA. Assim, a RDA socialista melhorou a sorte das classes trabalhadoras – mas não em casa, mas na RFA capitalista. As melhores qualidades foram para os países capitalistas estrangeiros – a comissão foi dada à sua própria população e aos irmãos e irmãs de países socialistas estrangeiros. Aqueles que queriam comprar qualidade no Oriente tinham que ir às delicatessens ou lojas requintadas. Lá ele teve que folhear 3.200 Ostmarks para a máquina de escrever „Erika electronic S3006“, acredite ou não; enquanto o mesmo modelo estava disponível em Quelle com o nome „Privileg electronic 1400“ para apenas alguns D-Marks. Além disso, os têxteis que tinham produzido um excedente na RDA foram vendidos ao Ocidente por alguns cêntimos em vez de serem distribuídos à população local. O governo da RDA subsidiava frequentemente os bens de exportação para que estes fossem para o Ocidente abaixo do preço de produção. Todos esses efeitos não foram adequados para convencer a população da „superioridade do socialismo“. Na década de 1970, a RDA cumpriu exactamente a função que os países do Terceiro Mundo cumprem actualmente: manter o nível de vida nos países industrializados artificialmente elevado, com salários baixos sem igual, sem aumentos salariais significativos – com todas as consequências nefastas para as pessoas e para o ambiente local.

A RDA poderia ter entrado em colapso já no início dos anos 80 – se não fosse o infame duende comunista Franz Josef Strauß, da CSU bávara, que, com um negócio de mil milhões de dólares em 1983, salvou a nomenklatura em torno de Erich Honecker do juramento de revelação (3). Claro que isto não foi de modo algum um acto de humanidade, como Strauß mais tarde quis vender. Ele simplesmente ajudou seu amigo íntimo, o atacadista de carne Josef März, a sair de problemas. Ele tinha conseguido grande riqueza com a sua empresa Marox desde que ele comprou gado da RDA a preços muito baixos e, em seguida, teve essas criaturas transformadas em carne enlatada em matadouros alemães. Assim, o mês de Março prejudicou sobretudo os agricultores alemães, que não conseguiram acompanhar o dumping da RDA e foram à falência. Josef März manteve novamente relações estreitas com o famoso procurador de divisas da RDA, Alexander Schalck-Golodkowski. Em nome do Politburo de Honecker, ele simplesmente pisou tudo na RDA que pudesse ser convertido em moedas da Alemanha Ocidental, não importa como. Na fase final, Schalck-Golodkowski chegou mesmo a prender cidadãos inocentes da RDA sob pretextos frágeis da Stasi, depois a arrebatar objectos de valor aos detidos e a vendê-los no Ocidente por divisas estrangeiras.

O facto de Franz Josef Strauß ter concedido à RDA uma prorrogação do prazo de prescrição, adquirindo um empréstimo de mil milhões de marcos alemães sob a liderança do Bayerische Landesbank, prejudicou-o politicamente, mas o leão da Baviera foi sumamente recompensado com comissões. Desenvolveu-se uma estreita ligação entre a CSU na Baviera e a SED em Berlim Oriental. A imprensa alemã tem agora o prazer de informar que Franz Josef Strauß e Schalck-Golodkowski revelaram segredos de Estado sensíveis a uma hora avançada durante o Zechgelagen. Pode ser. Por outro lado, porém, Schalck-Golodkowski provavelmente também transmitiu às autoridades alemãs segredos de Estado sensíveis do Governo da RDA.

Quando a RDA sangrou até a morte no verão de 1989 por gigantescas ondas de fuga, um repensar começou também na SED. No início, Erich Honecker, presumivelmente permanentemente isolado das verdades incômodas por suas mochilas da corte, foi removido do cargo em meados de outubro. Seu sucessor Egon Krenz providenciou a criação de um memorando que revelaria todas as fraquezas da RDA sem vergonha e implacavelmente, para que a terapia pudesse finalmente começar. Em 30 de Outubro de 1989, o chamado „Documento Schürer“ foi apresentado ao Politburo (4). O documento refere que a RDA estava irremediavelmente endividada e que, em termos de produtividade, a RDA se encontrava a milhas de distância da RFA. Afinal, os autores querem evitar a todo o custo empréstimos do Fundo Monetário Internacional para não cair na escravidão por dívidas. Suas sugestões terapêuticas: uma política de austeridade no estilo da primeira-ministra inglesa Maggie Thatcher com retórica socialista. O objectivo último é manter a soberania da RDA. Querem mesmo injectar países como a França, a Áustria ou o Japão na RDA para que possam construir a restante RDA como contrapeso ao temido reforço da RFA. Ao mesmo tempo, contudo, devem ser obtidos novos empréstimos junto da FRG. Isto só é possível, naturalmente, se este documento de Schürer permanecer ultra-secreto. Os destinatários do papel deverão destruir este papel em 31 de Dezembro de 1989. Alexander Schalck-Golodkowski também trabalhou no papel. Quando, em Janeiro de 1990, emissários do governo da RDA testaram os banqueiros e membros do governo da Alemanha Ocidental para obterem um empréstimo, foram insultados e fizeram referência ao jornal Schürer, na realidade, altamente secreto. Tendo em conta o nível de endividamento de 49 mil milhões de marcos alemães mencionado no documento da Schürer, não sonham em investir mais um pfennig alemão neste navio afundador. Quem forneceu o papel Schürer altamente explosivo aos decisores alemães ocidentais?

A declaração de que a RDA estava endividada em 49 mil milhões de marcos era o martelo mortífero para todas as aspirações da RDA a uma soberania nacional a longo prazo. Devido a estes números de martelo, os partidários da continuação da existência da RDA também perderam toda a coragem. No Outono de 1989, existia ainda uma clara maioria de dois terços na RDA para a continuação da existência de um Estado próprio. A declaração „Para o nosso país“ (5) encontrou apoio em massa. Mas assim que a fronteira foi aberta, muitos agentes influentes da RFA afluíram à RDA, que se juntaram aos manifestantes e pediram a „reunificação“ e agitaram bandeiras alemãs sem martelos nem bússolas e gritaram „Helmut, Helmut!

Na cena internacional, a anexação da RDA pela República Federal da Alemanha já tinha sido decidida há muito tempo. A 4 de Novembro, cinco dias antes da queda do Muro de Berlim, pode ler-se o seguinte num jornal de província (7): „O Presidente francês François Mitterand espera que os dois Estados alemães se reúnam rapidamente e não teme esta evolução. Foi o que afirmou ontem, no final das consultas franco-alemãs em Bona. Será rápido, muito rápido, mas talvez não tão rápido quanto alguns gostariam“, disse Mitterand. Na aconchegante noite de churrasco no Cáucaso Soviético, Gorbachev ofereceu abertamente ao chanceler Kohl e ao ministro dos Negócios Estrangeiros Genscher a RDA em troca de empréstimos da Alemanha Ocidental (8). Mas antes da formação de uma nova aliança totalmente alemã-soviética, o presidente russo Boris Ieltsin, que estava sob a influência dos EUA, mais uma vez desempoderou Gorbachev e dissolveu a União Soviética sem mais delongas.

As dívidas incobráveis de 49 mil milhões de marcos, de que fala o famoso jornal Schürer, revelaram-se completamente infundadas. De facto, tal como o próprio Bundesbank da Alemanha Ocidental declarou num intervalo de segurança de dez anos em 1999 (9 ), as dívidas da RDA correspondiam a ordens de grandeza que ainda eram reembolsáveis. Mas com esta quimera de dívidas irrecuperáveis, o Governo federal justificou a anexação total da RDA. E em vez das esperadas „paisagens florescentes“ prometidas pelo contador de histórias de Oggersheim, Helmut Kohl, tudo o que impedia a economia alemã foi aplanado. Hoje, como nos tempos de Quelles e Neckermann, a Alemanha Oriental é, infelizmente, mais uma vez, a bancada de trabalho alargada da Alemanha Ocidental.

Fontes:
(1) Hermann Ploppa: Der Griff nach Eurasien – Die Hintergründe des ewigen Krieges gegen Russland. Marburg 2019 S.273ff

(2) https://www.mdr.de/zeitreise/quelle-und-ddr-produkte-100.html 

(3) https://www.spiegel.de/spiegel/print/d-13488927.html

(4) http://www.chronik-der-mauer.de/material/178898/sed-politbuerovorlage-analyse-der-oekonomischen-lage-der-ddr-mit-schlussfolgerungen-30-oktober-1989http://www.chronik-der-mauer.de/material/178898/sed-politbuerovorlage-analyse-der-oekonomischen-lage-der-ddr-mit-schlussfolgerungen-30-oktober-1989

(5) https://web.archive.org/web/20131012065100/http:/www.hdg.de/lemo/html/dokumente/DieDeutscheEinheit_aufrufFuerUnserLand/index.html

(6) Otto Köhler: Die Grosse Enteignung – Wie die Treuhand eine Volkswirtschaft ruinierte. Berlin 2011. S.171ff

(7) https://www.op-marburg.de/Marburg/Der-Mauerfall-1989-Was-hat-er-bewirkt

(8) https://www.spiegel.de/spiegel/print/d-13507185.html

(9) https://www.spiegel.de/spiegel/print/d-13507185.html

Leitura recomendada: Vladimiro Giacché: O Anschluss – A unificação alemã e o futuro da Europa. Hamburgo 2015

+++

Obrigado ao autor pelo direito de publicar.

+++

Referência da imagem: © B.Leyon

+++

KenFM se esforça para obter um amplo espectro de opiniões. Artigos de opinião e contribuições de convidados não precisam refletir o ponto de vista editorial.

+++

Gostas do nosso programa? Informações sobre opções de suporte podem ser encontradas aqui: https://kenfm.de/support/kenfm-unterstuetzen/

+++

Agora você também pode nos ajudar com Bitcoins.

BitCoin Endereço: 18FpEnH1Dh83GXXGpRNqNqSoW5TL1z1PZgZK

Hinterlasse eine Antwort